100 mil termalistas impulsionam economias locais

O Congresso Internacional Turismo e Saúde 2020 organizado pela ATP – Associação das Termas de Portugal e PROVERE Termas Centro, com o apoio do Turismo do Centro de Portugal e ARPT Centro de Portugal realiza-se nos dias 17 e 18 de novembro, no H2OTEL, em Unhais da Serra e conta com a participação de reconhecidos […]

O Congresso Internacional Turismo e Saúde 2020 organizado pela ATP – Associação das Termas de Portugal e PROVERE Termas Centro, com o apoio do Turismo do Centro de Portugal e ARPT Centro de Portugal realiza-se nos dias 17 e 18 de novembro, no H2OTEL, em Unhais da Serra e conta com a participação de reconhecidos especialistas nacionais e estrangeiros.

“Pretendemos afirmar a importância do termalismo para o bem-estar geral da população e debater as oportunidades-chave para o desenvolvimento do sector. O impacto socioeconómico pode ser elevado, sendo fulcral que as classes decisoras percebam os ganhos que se podem alcançar.” refere Teresa Vieira, Presidente da Associação das Termas de Portugal.

Com uma oferta termal de enorme riqueza, este congresso, que conta com a participação especial da UNWTO – Organização Mundial de Turismo, será dividido em quatro painéis: “Contexto, Tendências e Oportunidades para Portugal”, “Modelos de Negócio Inovadores”, “Marketing e Comercialização” e “Saúde”.

O primeiro painel será focado na internacionalização e visa debater as tendências do sector para a expansão do negócio em Portugal, assim como o impacto socioeconómico do termalismo nas regiões em que se insere. “Por cada euro de despesas efetuadas para implementar um programa de saúde e termalismo sénior a entidade envolvida na sua execução pode originar direta e indiretamente 1749€ ” afirma Teresa Vieira referindo-se a estudos realizados no âmbito do programa Imserso, em Espanha.

De um modo geral, o congresso pretende também promover a importância da investigação e inovação na contribuição dos tratamentos termais para a redução do consumo de fármacos e apelar à valorização da terapêutica termal.

Em debate estará também as potencialidades de integração estratégica do turismo de saúde e do turismo médico na ótica do marketing de destinos termais como fonte de promoção interna e externa dos balneários termais nacionais, entre outras temáticas.

Em debate estará ainda a diretiva comunitária Europeia nº24/2011 de cuidados de saúde transfronteiriços para Portugal, transposta em Agosto 2014, e a sua importância para as Termas de Portugal na rota europeia de saúde e bem-estar, além do potencial da Hotelaria Termal para o desenvolvimento do turismo nacional.

Em Portugal existem 48 termas licenciadas e o setor emprega diretamente 5 mil pessoas, sendo um grande impulsionador das regiões. Os números de 2013 revelam que as termas foram procuradas por mais de 100 mil termalistas, com um total de dormidas na hotelaria termal da região norte e centro na ordem dos 12% .

As inscrições estão abertas até ao dia 9 de novembro. Para mais informações contactar geral@termasdeportugal.pt ou 217940574.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.