Mais de 117 mil turistas russos retidos no estrangeiro já regressaram à Rússia

Na sequência da invasão da Ucrânia no dia 24 de fevereiro, a União Europeia e vários países fecharam os respetivos espaços aéreos a aviões russos, o que levou a que milhares de cidadãos russos ficassem retidos nos países para os quais tinham viajado.

Milhares de turistas russos que tinham ficado retidos no estrangeiro conseguiram, por fim, regressar ao seu país, revelou o vice-primeiro-ministro da Rússia, Dmitry Chernyshenko, citado pela “Interfax”.

“Cerca de 117.000 compatriotas com dificuldades em regressar ao seu país de origem foram repatriados”, disse Chernyshenko numa reunião governamental com atores da indústria do turismo.

De acordo com o governante, o Kremlin canalizou mais de dez mil milhões de rublos para operacionalizar o desbloqueio da situação em que os cidadãos russos se encontravam.

A diretora da Agência Federal de Turismo, Zarina Doguzova, confirmou que os operadores turísticos tinham conseguido trazer todos os turistas organizados de volta a casa após receberem os fundos do governo russo.

Recorde-se que, na sequência da invasão da Ucrânia no dia 24 de fevereiro, a União Europeia (UE) e vários países fecharam os respetivos espaços aéreos a aviões russos, o que levou a que milhares de cidadãos russos ficassem retidos nos países para os quais tinham viajado.

Recomendadas

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

“Levava um tiro por Putin”. Antiga figura da Fórmula Um defende a invasão da Ucrânia

Bernie Ecclestone referiu-se ao líder russo como alguém “de primeira classe” que cometeu “erros” e apontou o dedo a Zelensky por “não ouvir” o Kremlin. Declarações que já mereceram reação da Fórmula Um.

Nova ‘cortina de ferro’ já desce entre a Rússia e o Ocidente, diz Kremlin

“No que diz respeito a uma cortina de ferro, essencialmente ela já está a descer” e esse processo já está em curso, disse o porta -voz de Putin.
Comentários