13 soldados mortos em atentado na Turquia

Pelo menos 13 soldados morreram e outros 48 ficaram feridos num atentado à bomba, hoje, na cidade turca de Kayseri.

Pelo menos 13 soldados morreram e outros 48 ficaram hoje feridos num atentado à bomba contra o autocarro em que seguiam na cidade central turca de Kayseri, informou o exército. Os soldados e oficiais não-comissionados, tinham tido autorização para sair do quartel-geral na cidade, explicou o exército em comunicado.

Os feridos foram transportados para o hospital e as autoridades admitem que haja também civis entre as vítimas.

Já antes, o vice-primeiro-ministro da Turquia, Veysi Kaynak, admitia que havia mortos no atentado, mas não adiantava números. “Há feridos e, infelizmente, há mortos”, disse Kaynak, em declarações à comunicação social.

O governante acrescentou que no autocarro viajavam vários soldados e que o atentado “se parece com o do Besiktas”, em referência ao duplo ataque suicida com carro armadilhado que no sábado passado fez 44 mortos junto ao estádio de futebol de Istambul.

O Governo turco impôs um bloqueio temporário à cobertura da explosão e apelou aos órgãos de comunicação social que não publiquem nada que possa provocar “medo no público, pânico e desordem e que possa servir os objetivos das organizações terroristas”.

A Turquia tem vivido uma série de atentados mortais em 2016, atribuídos tanto a islamitas como a militantes curdos, que fizeram dezenas de mortes.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários