16 mil milhões para atividades I+D+i

A Comissão Europeia (CE) aprovou recentemente o novo programa de trabalho do Horizonte 2020 para 2016 e 2017. Neste programa, destaca-se o investimento estimado na ordem dos 16 mil milhões de euros em atividades de investigação e inovação que contribuem para melhorar a competitividade económica da Europa e responder aos novos objetivos da sociedade como […]

A Comissão Europeia (CE) aprovou recentemente o novo programa de trabalho do Horizonte 2020 para 2016 e 2017.

Neste programa, destaca-se o investimento estimado na ordem dos 16 mil milhões de euros em atividades de investigação e inovação que contribuem para melhorar a competitividade económica da Europa e responder aos novos objetivos da sociedade como combater as mudanças climáticas e a promoção de energias limpas e responder ao objetivo da imigração.

A CE frisa ainda que, em concreto, as possibilidades de financiamento que oferece o novo programa de trabalho estão vinculadas às principais prioridades da Comissão  relativas a medidas em matéria de emprego, crescimento e investimento. Mas as atenções estão também centradas no mercado único digital, na União da Energia e na política de luta contra as mudanças climáticas, bem como num mercado interior com uma indústria mais sólida e a uma Europa que seja um interlocutor de maior peso no cenário mundial.

OJE

Recomendadas

Fintech holandesa lança serviços financeiros para PME com Mollie Capital

As fintechs financeiras estão a olhar para pequenas e médias empresas em Portugal. Depois da Rauva, vem agora a Mollie Capital anunciar-se como “o primeiro fornecedor de serviços financeiros para PME”.

Von der Leyen quer um banco europeu do hidrogénio e vai apoiar PME (com áudio)

“O hidrogénio pode ser uma mudança de jogo para a Europa. É por isso que vamos criar um novo Banco Europeu de Hidrogénio”, revelou a presidente da Comissão europeia. Na economia, destaque para os apoios fiscais prometidos às PME; para os 140 milhões que espera tirar aos lucros das empresas de energia; e para os alertas aos Estados para reduzirem a dívida.

Evoluir pode ser a chave para ficar

Cada vez mais a aposta em ‘managers’ originários de progressão interna se torna numa decisão estratégica sólida e confiável, suportada por uma força de trabalho estável, motivada e competente.