Premium1984 – A novela gráfica: É hora de ver Orwell aos quadradinhos

Os três alicerces do duplipensar mantêm-se firmes desde 1948, ano em que George Orwell, nome que o britânico Eric Blair escolheu para deixar a sua marca no mundo, criou um futuro em que o “Grande Irmão” seria capaz de vigiar qualquer um, em qualquer lugar e a qualquer momento: “Guerra é Paz; Liberdade é Escravidão; Ignorância é Força.”

Os três alicerces do duplipensar mantêm-se firmes desde 1948, ano em que George Orwell, nome que o britânico Eric Blair escolheu para deixar a sua marca no mundo, criou um futuro em que o “Grande Irmão” seria capaz de vigiar qualquer um, em qualquer lugar e a qualquer momento: “Guerra é Paz; Liberdade é Escravidão; Ignorância é Força.”

Lançado no ano seguinte, mas sempre atual, embora neste difícil 2020 Londres ainda não se tenha convertido numa capital de província da Oceânia, um dos três blocos em guerra permanente imaginados por Orwell, “1984” deu agora origem a uma novela gráfica, adaptada e ilustrada pelo brasileiro Fido Nesti, que a Alfaguara lançou em Portugal numa edição de capa dura que tanto poderá ser um magnífico presente de Natal de última hora como um precioso reforço para a biblioteca de casa.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Projeto “Ponte nas ondas” integra Boas Práticas de Património Imaterial da UNESCO

O projeto luso-galaico “Ponte nas Ondas” foi hoje reconhecido pela UNESCO, em Rabat, Marrocos, passando a integrar o Registo de Boas Práticas de Salvaguarda de Património Cultural Imaterial daquela organização internacional, tornando-se na primeira candidatura portuguesa da lista.

“Odisseia Nacional” do D. Maria II, um teatro em périplo pelo continente e ilhas

Durante 2023, o Teatro Nacional D. Maria II vai desenvolver um programa extramuros e levar a todas as regiões de Portugal continental e ilhas um vasto leque de iniciativas. Envolver públicos e comunidades na descentralização da cultura é um dos objetivos desta “Odisseia”, com início marcado para janeiro.

Botânico de Coimbra ganha jardim para se tocar, provar e cheirar as plantas

O Jardim Botânico da Universidade de Coimbra vai abrir, na segunda-feira, o “Jardim Sensorial”, um novo espaço no qual os visitantes serão desafiados a tocar, ver, provar e cheirar diferentes plantas.
Comentários