1ª sessão após queda do Governo. Bolsa sobe 1%

Na primeira sessão após a rejeição do programa, que levou à queda do Governo do PSD/CDS, o PSI 20, principal índice da bolsa portuguesa, abriu a subir uns escassos 0,05%, para seguir a ganhar mais de 1% menos meia hora depois. A suportar a subida do índice, em linha com os congéneres europeus, onde a […]

Na primeira sessão após a rejeição do programa, que levou à queda do Governo do PSD/CDS, o PSI 20, principal índice da bolsa portuguesa, abriu a subir uns escassos 0,05%, para seguir a ganhar mais de 1% menos meia hora depois.

A suportar a subida do índice, em linha com os congéneres europeus, onde a tendência também é de ganhos ligeiros, destaque para títulos como BCP, Jerónimo Martins, Galp e Mota Engil.

Logo na abertura, o banco liderado por Nuno Amado dava bons indicadores de desempenho, com um ganho de 1,50% para 4,7 cêntimos, no que é a sua primeira subida em quatro sessões consecutivas.

Do lado oposto, destaque para a EDP, que caia 1,02% para 3,217 euros.

No mercado secundário de dívida, as obrigações soberanas a 10 anos agravam ligeiramente ao início da manhã, em linha com o que sucede no resto dos países periféricos do sul do euro. A sessão de ontem fechou com um alívio de quase seis pontos base.

OJE

Recomendadas

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.

CMVM avança com cinco processos de contraordenação contra auditoras e CGD

O regulador aplicou quatro processos por violação de deveres de atuação dos auditores e outro à Caixa Geral de Depósitos por violação de deveres dos intermediários financeiros. Foi aplicada uma coima de 25 mil euros ao banco, suspensa integralmente por dois anos.