1º de maio: Contestação social está de regresso, diz Marques Mendes

A central sindical CGTP exigiu hoje a subida do salário mínimo nacional para os 800 euros e uma subida dos salários em 90 euros, com ambas as subidas este ano para repor a perda do poder de compra dos trabalhadores.

Luís Marques Mendes considera que a contestação social regressou a Portugal depois de ouvir as declarações da secretária-geral da CGTP no Dia do Trabalhador.

“Voltaram as manifestações do primeiro de maio, mas a novidade é o regresso da contestação social por causa do perda do poder de compra. António Costa está no poder há mais de seis anos; nunca teve contestação social, o PCP estava la dentro, na geringonça, logo a CGTP estava mais doce”, afirmou hoje o comentador no seu espaço de comentário semanal na “SIC”.

“Depois, porque praticou uma política do aumento do poder de compra, dos salários, das pensões. Agora o PCP está na oposição, e o poder de compra vai baixar nos funcionários públicos, dos funcionários em geral. Vamos ter algum regresso de contestação social. Vamos ver se as centrais sindicais têm poder de mobilização, e ver como reage o Governo: quando se fala em austeridade, vê se algum nervosismo e tensão no Governo”, segundo Marques Mendes.

A central sindical CGTP exigiu hoje o aumento dos salários no sector público e privado como forma de repor a perda de compra dos trabalhadores devido à inflação e ao disparo do preço de várias matérias-primas devido à invasão russa da Ucrânia.

“Devido a esta situação extraordinária, exigimos o aumento dos salários de todos os trabalhadores em 90 euros em 2022. O aumento extraordinário dos salários atualizados, mas cuja revisão já foi absorvida pela inflação; o aumento extraordinário do salario mínimo nos 800 euros a partir de 1 de julho de 2022; aumento extraordinário para todas as pensões e reformas num mínimo de 20 euros”, disse hoje a secretária-geral da CGTP em discurso na Alameda dom Afonso Henriques em Lisboa.

“Para uma situação extraordinária, exigem-se medidas extraordinárias. O aumento dos salários já era uma emergência nacional, mas a evolução da situação económica e social, torna esta exigência uma questão central”, afirmou Isabel Camarinha no seu discurso habitual no primeiro de maio.

“Com o aumento dos preços nos primeiros meses, os salários e as reformas já foram comidos em 7%. Um trabalhador com um salário de 800 euros já baixou para 744 euros, perdeu 56 euros. Perdeu-os agora e é agora que o poder de compra tem de ser reposto, e não no ano que vem ou no dia de são nunca à tarde”, acrescentou.

Relacionadas

CGTP exige a Governo e a patrões já este ano: aumento de 90 euros para todos os trabalhadores e subida do salário mínimo para 800 euros

A subida do nível de vida e o seu impacto nas famílias foi a grande preocupação da CGTP durante a celebração do Dia do Trabalhador.

“Em Portugal, existe o fenómeno de trabalhar e empobrecer ao mesmo tempo, não pode ser”, diz líder do PCP

Jerónimo de Sousa diz que só a “valorização dos salários” é suficiente para dar resposta ao aumento dos preços. O PCP garante que vai apoiar a CGTP na “luta dos trabalhadores”.

1.º Maio: Milhares de pessoas rumam do Martim Moniz à Alameda em Lisboa

O desfile partiu ao ritmo de bombos e de palavras de ordem, cerca das 15:15, pela avenida Almirante Reis.

1.º Maio: Greve de trabalhadores da distribuição, retalho e IPSS com “forte adesão”

A greve de trabalhadores das empresas de distribuição, retalho, instituições particulares de solidariedade social (IPSS) e misericórdias está a ter “forte adesão”, com lojas encerradas ou a trabalhar “com limitações”, disse hoje o sindicato.

1.º Maio: Dia do Trabalhador comemorado sem restrições por todo o país

Este ano a CGTP volta a fazer o tradicional desfile na capital, a partir da praça do Martim Moniz até à Alameda, onde ocorre o comício sindical, assim como a manifestação do Porto, na Avenida dos Aliados. A CGTP espera ter de novo muitos milhares de trabalhadores nas ruas e voltar a encher a Alameda D. Afonso Henriques, em Lisboa.
Recomendadas

Espanha agrava impostos sobre lucros de petrolíferas e elétricas em 2023

Espanha vai avançar com o agravamento de impostos sobre os lucros das empresas energéticas, atendendo à subida dos preços, anunciou este sábado o primeiro-ministro Pedro Sánchez.

Espanha destina mais nove mil milhões até final do ano para responder a subida de preços

O governo espanhol aprovou este sábado um novo plano para responder ao impacto da guerra na Ucrânia na economia e ao aumento dos preços, no valor de nove mil milhões de euros até ao final do ano.

GNR garante segurança do Fórum do BCE com cerca de 140 militares por dia

Um total de aproximadamente 140 militares por dia, com a utilização de diferentes meios da Guarda Nacional Republicana (GNR), vai garantir a segurança do Fórum do Banco Central Europeu (BCE) em Sintra entre domingo e a próxima quinta-feira.
Comentários