Como 2016 varreu quatro dos cinco políticos mais importantes do mundo

Obama out. Adieu Hollande. Ciao Renzi. Bye bye Cameron. Uma onda anti-globalização parece estar a ganhar terreno e a alterar o rumo dos países mais poderosos do mundo.

Eram cinco, mas só fica uma. A Alemanha, estável, mantém o seu poder enquanto os outros balançam.

David Cameron foi o primeiro a sair, forçado pelo resultado do referendo que o próprio convocou, assumindo que iria sair fortalecido com uma votação sólida a favor da permanência do Reino Unido na União Europeia.

O resultado não foi bem o esperado e Cameron renunciou em julho. O objetivo do referendo, que passava também por acalmar a ala eurocética do partido Conservador, salienta o entendimento de que a revolta das maiorias silenciosas contra políticos que representam o establishment ataca à direita e à esquerda.

O Brexit até agora teve resultados muito menos negativos do que o esperado, mas o governo de Theresa May, substituta de Cameron, não parece muito certo neste processo de separação e na forma como vai aplicar o artigo 50º do Tratado da União.

Um “divórcio” que se assume litigioso com a necessidade de enfrentar a constitucionalidade da rutura perante o Tribunal Supremo.

O próximo na lista é Barack Obama, o homem que encerra o reinado dos democratas, já que a sua sucessora saiu perdedora na campanha que mais polémica gerou nos últimos tempos.

Muitos ficaram em choque, outros tantos animados com o resultado do dia 8 de novembro que elegeu o magnata nova-iorquino Donald Trump como próximo líder do mundo livre.

A sobrevivente é Angela Merkel. O prestígio da primeira-ministra foi abalado pela política de abertura às recentes ondas migratórias, mas a maioria dos alemães ainda é a favor de lhe proporcionar um quarto mandato em outubro de 2017.

Dez meses ainda é suficiente para as mentes germânicas alterarem os seus ideais e, na verdade registam-se avanços em eleições regionais do partido que é contra a imigração de muçulmanos e contra a participação na União Europeia. Nem a Alemanha é imune a este surto global de insatisfação.

Uma onda anti-globalização reafirmada pela esquerda e que, ao contrário do que se esperava, parece estar a ganhar terreno.

Ao lado deste fenómeno desaparecem mais dois nomes célebres: os “globalistas” François Hollande e Matteo Renzi.

Hollande anunciou na passada quinta-feira que não vai disputar a candidatura presidencial pelo Partido Socialista, uma maneira de se livrar de uma derrota constrangedora segundo alguns críticos.

O comunicado de Hollande não parece preocupar muitos os franceses, mais concentrados no segundo turno da eleição presidencial, presumidamente entre a direita representada por François Fillon e a extrema-direita de Marine Le Pen.

O mesmo sentimento de rebelião inspirou a queda do último da lista, Matteo Renzi.

O referendo que visava uma reforma constitucional para modernizar o funcionamento das instituições políticas italianas transformou-se na desgraça do primeiro-ministro. Depois de uma derrota ainda maior do que a prognosticada (um “não” por cerca de 60% dos eleitores), Renzi viu-se obrigado a cumprir a promessa de renunciar.

Os mais pessimistas encaram o resultado como um sinal de que a Itália eventualmente vai acelerar o desmoronamento da União Europeia, iniciado com o Brexit.

O que vai acontecer afinal à União Europeia?

Recomendadas

Covid-19: Várias cidades da China relaxam medidas de prevenção epidémica

Várias cidades chinesas estão a abolir algumas medidas de prevenção contra a Covid-19, sinalizando o fim gradual da estratégia ‘zero casos’, que manteve o país isolado durante quase três anos e afetou a economia.

Obiang “não corria risco de perder” eleições na Guiné Equatorial

O analista político Ebenezer Obadare considera que as recentes eleições na Guiné Equatorial foram “uma farsa” em que o Presidente, Teodoro Obiang, “não corria risco de perder”, e que a oposição “fantasma” não tinha expectativas contrárias.

Kyiv denuncia “aumento drástico” da violência sexual como arma de guerra

O procurador-geral da Ucrânia, Andrei Kostin, denunciou um “aumento drástico” no uso de violência sexual como arma de guerra no país por soldados russos.
Comentários