2022

A expectativa económica e financeira para 2022 é muito grande. No entanto, seria muito atrevido e arriscado adiantar muitas certezas quando a economia global recupera a pouco e pouco das cicatrizes da pandemia e quando temos demasiadas variáveis voláteis que dificultam antever o que nos espera.

A expectativa económica e financeira para 2022 é muito grande. No entanto, seria muito atrevido e arriscado adiantar muitas certezas quando a economia global recupera a pouco e pouco das cicatrizes da pandemia e quando temos demasiadas variáveis voláteis que dificultam antever o que nos espera.

Os desafios são muitos: a evolução da pandemia e as suas restrições; a inflação; o comportamento dos bancos centrais; as taxas de juro; as metas para a transição energética; as ruturas nas cadeias de abastecimento e logística; a escassez de chips, a deslocalização de indústrias do oriente para ocidente; e tantos outros indicadores e fatores que comprometem o nosso futuro.

Acredito que 2022 será um ano crucial para darmos passos concretos no objetivo de emissões zero em 2050. Não podemos vacilar: a aposta num mundo mais amigo do ambiente, a aposta em políticas ESG e o foco nas energias renováveis são o trajeto que temos de trilhar para assegurar a continuidade das futuras gerações.

Contudo, não podemos ignorar a crise de energia e os seus preços elevadíssimos. Esta crise torna a nossa sociedade ainda mais desigual.

Estou convencido de que a inflação será permanente e incerta, alimentada pela escassez de oferta. A dessincronização entre as tendências de crescimento e a inflação são provavelmente a grande incógnita de 2022.

O cenário de estagflacão está no horizonte, com o risco potencial de que os bancos centrais percam o controlo, enquanto tentam equilibrar o crescimento e a inflação. Este cenário é particularmente preocupante ao nível do desemprego e da consequente redução de poder de compra dos cidadãos.

A minha convicção é de que os investidores vão potencialmente procurar soluções de investimento que possam mitigar o risco de inflação, designadamente através de soluções de investimento que têm ativos reais associados.

Para nós portugueses, o ano de 2022 vai depender muito das circunstâncias globais, mas devíamos todos, enquanto Nação e de forma responsável, assumir um compromisso de Estado – incluindo todos os partidos – para reduzirmos significativamente a nossa colossal dívida pública. Fica o desafio!

Bom ano de 2022!

Recomendadas

Os seis efeitos nas eleições de 2022 em Angola

O primeiro efeito é o fim da maioria qualificada do MPLA. O que significa que nenhum partido consegue per se realizar uma revisão da Constituição e que a UNITA passou a ter o poder de vetar qualquer projecto de alteração constitucional.

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.
Comentários