2022 poderá ser um ano de muito boa memória para a Economia Portuguesa

Há mais razões do que o efeito base e o fim da maioria das medidas de controlo sanitário para estar otimista face a 2022, sem descurar o turismo e uma menor exposição às consequências do conflito na Ucrânia.

A economia portuguesa surpreendeu no primeiro trimestre e é agora, na previsão da Comissão Europeia (CE), a economia em que se prevê que o crescimento económico em 2022 seja o maior de toda a União Europeia, atingindo os 6,5%, depois de uma revisão em alta dos 5,8% que havia feito antes.

Nisto a CE foi acompanhada pelo Banco de Portugal que no seu Boletim Económico de junho também havia revisto a previsão de crescimento para a economia portuguesa em 2022 de 4,9 para 6,3%. Também no que diz respeito à inflação os números foram revistos em alta, com uma previsão de subida do nível geral de preços para 2022 de 6,8%, acima dos 4,4% que haviam sido anunciados antes.

Como em tudo, haverá fatores que explicam o cenário positivo que estes números sugerem. O primeiro trimestre de 2021 foi de má memória para Portugal, com a terceira vaga da pandemia a ter o maior impacto até então, quebrando recordes de novas infeções, internamentos nos cuidados intensivos e até mortalidade associada à Covid-19. Isto motivou um conjunto de medidas de controlo sanitário que estrangularam sobremaneira a economia, que sofreu a sua segunda maior contração num trimestre observada em pandemia, 5,5% em termos homólogos.

Neste contexto, existe um importante efeito de base que ajuda a explicar a performance da economia portuguesa no primeiro trimestre de 2022, aquele em que as medidas de controlo sanitário mais abrandaram e em que a procura interna disparou, sustentando o crescimento observado de 11,9%. Os números do segundo trimestre não evidenciarão um crescimento tão pronunciado em termos homólogos como no primeiro, mas serão números, ainda assim, substanciais.

Mas é importante dizer que há mais razões do que o efeito base e o fim da maioria das medidas de controlo sanitário para estar otimista relativamente ao comportamento esperado da economia portuguesa num futuro próximo.

O Turismo de Portugal tem vindo a publicar um conjunto de estatísticas que sugerem que, também por aí, podemos esperar uma dinâmica forte que sustente as expectativas de crescimento económico, com os números a mostrar os valores mais elevados desde o início da pandemia. Junte-se a isto uma menor exposição às consequências do conflito na Ucrânia e temos um conjunto de ingredientes (inflação ligeiramente mais moderada, efeito base importante, crescimento acentuado da procura interna e do turismo estrangeiro e até taxas de desemprego abaixo da média da União) que sugerem que 2022 poderá ser um ano de muito boa memória para a economia portuguesa.

Este artigo é publicado no âmbito da rubrica “Barómetro”, do Boletim Económico de Verão do JE, parte integrante da edição impressa de dia 22 de julho.

Recomendadas

Na liderança do crescimento da UE com o impulso do turismo

Um primeiro trimestre de 11,9% de crescimento e um verão com a procura turística em alta podem compensar o risco criado pela subida dos custos de financiamento, mas várias empresas mais endividadas terão muitas dificuldades.

Cuidado com o otimismo

Não olhando nem para o passado nem para o futuro previsível, esquece-se que o crescimento económico deve ser analisado em horizontes mais longos e numa ótica mais estrutural.

“Fraca proatividade” inibe sucesso das reestruturações

Empresários e governo devem ser menos reativos e mais proativos e antecipar cenários críticos para os negócios, diz Pedro Neto.
Comentários