2,9 mil milhões de dólares. O custo da guerra comercial entre Estados Unidos e China

As contas são de um professor da Universidade de Purdue, consultado pela Reuters, e são referentes às tarifas da China em produtos como a soja, o milho e o trigo.

Jason Reed/Reuters

O custo da guerra comercial terá atingido pelo menos 2,9 mil milhões de dólares para as economias dos Estados Unidos e da China, de acordo com as contas da Reuters. A agricultura tem sido um dos sectores, refere a agência noticiosa, que mais tem sofrido o impacto da imposição de tarifas.

Este impacto de 2,9 mil milhões resulta diz Wally Tyner, professor da Universidade de Purdue, consultado pela agência de notícias, das tarifas impostas pela China, para produtos como a soja, o milho, e o trigo.

Esta guerra comercial, entre os Estados Unidos e a China, começou quando Donald Trump, presidente norte-americano, anunciou a sua intenção de aumentar as tarifas em bens como o alumínio, o que em resposta levou a que a China respondesse na mesma medida.

A 1 de dezembro contudo foi imposta uma trégua de 90 dias, fazendo com que esta guerra comercial fique por enquanto suspensa.

Relacionadas

Trump vê “um grande progresso” nas negociações com a China e possibilidade de trégua comercial

Os EUA e a China envolveram-se numa disputa de imposição de tarifas comerciais, por iniciativa de Trump. Desde o dia 1 de dezembro, porém, essa “guerra comercial” ficou suspensa, através de uma trégua de 90 dias. Prosseguem entretanto as negociações visando um acordo comercial entre as duas partes.

Estados Unidos e China acordam que nenhuma tarifa adicional será imposta após 1 de janeiro

A notícia foi avançada pela estação de televisão chinesa, citada pela Reuters.
Recomendadas

Obiang “não corria risco de perder” eleições na Guiné Equatorial

O analista político Ebenezer Obadare considera que as recentes eleições na Guiné Equatorial foram “uma farsa” em que o Presidente, Teodoro Obiang, “não corria risco de perder”, e que a oposição “fantasma” não tinha expectativas contrárias.

Kyiv denuncia “aumento drástico” da violência sexual como arma de guerra

O procurador-geral da Ucrânia, Andrei Kostin, denunciou um “aumento drástico” no uso de violência sexual como arma de guerra no país por soldados russos.

Apelos a novos protestos no Irão após abolição da polícia da moralidade

Ativistas iranianos convocaram hoje protestos para os próximos três dias, com mobilizações e greves, após o procurador-geral do Irão ter anunciado que a polícia da moralidade, na origem de meses de protestos no país, “foi encerrada”.
Comentários