3,5 milhões separam Ucrânia do gás russo

O Presidente ucraniano afirmou que Kiev e Moscovo não alcançaram um acordo para resolver o diferendo sobre o fornecimento de gás russo à Ucrânia, manifestando, porém, esperança de que os dois países vão encontrar uma solução em breve. Petro Poroshenko falava após um encontro bilateral com o Presidente russo, Vladimir Putin, num hotel no centro […]

O Presidente ucraniano afirmou que Kiev e Moscovo não alcançaram um acordo para resolver o diferendo sobre o fornecimento de gás russo à Ucrânia, manifestando, porém, esperança de que os dois países vão encontrar uma solução em breve.

Petro Poroshenko falava após um encontro bilateral com o Presidente russo, Vladimir Putin, num hotel no centro de Milão (norte de Itália).

“Não conseguimos alcançar um resultado prático sobre a questão do gás, mas temos esperança que vamos encontrar uma solução até 21 de outubro, data da reunião em Bruxelas entre a Ucrânia, Rússia e a Comissão Europeia”, afirmou o líder ucraniano, em declarações aos jornalistas.

Do lado russo, Vladimir Putin pediu à União Europeia (UE) para ajudar a Ucrânia a pagar a Moscovo a dívida relacionada com o fornecimento de gás, estimada em 3,5 milhões de euros.

“Esperamos que os nossos parceiros europeus, a Comissão Europeia, deem uma mão à Ucrânia e ajudem a solucionar este problema de défice de dinheiro”, referiu o chefe de Estado russo.

Putin assegurou que a Rússia não pode “correr mais riscos” nesta matéria, mencionando como possíveis instrumentos de ajuda financeira à Ucrânia a concessão de créditos por parte da UE, do Fundo Monetário Internacional (FMI) ou do Banco Mundial.

Esta foi a terceira reunião em menos de 12 horas entre Putin e Poroshenko, mas a única com carácter bilateral.

Os dois líderes já se tinham reunido anteriormente na presença do Presidente francês, François Hollande, e da chanceler alemã, Angela Merkel.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.