38% dos trabalhadores são patrões

As conclusões são de um relatório da OCDE que analisou os quadros de pessoal. “A representação dos empregadores é fraca”, dizem os autores.

As associações patronais representam 38% dos trabalhadores, sendo a que presença varia consoante o setor em que se inserem: é baixa no ramo da água e do tratamento de lixo (9%) e alta nas atividades financeiras e de seguros (76,2%). O relatório da OCDE, a que o “Jornal de Negócios” e o “Observador” tiveram acesso, refere que “ao mesmo tempo a representação dos empregadores é fraca”.

Segundo o documento, “as estimativas baseadas em dados administrativos (quadros de pessoal) sugerem que em média as organizações de empregadores em Portugal representam apenas 38% dos trabalhadores” e 17,9% das empresas.

“A taxa de sindicalização em Portugal fica apenas ligeiramente acima da média da OCDE (20,5% abaixo do que é observado nos países nórdicos”, dizem ainda os autores.

Deste relatório da OCDE consta a primeira avaliação às medidas laborais do programa de ajustamento cuja representatividade dos parceiros sociais foi posta em causa pelos credores, que se questionaram sobre o poder das associações patronais e sindicais em matéria de contratação coletiva.

A organização internacional adianta que, apesar das reformas postas em prática, o sistema de contratação coletiva em Portugal “continuou a enfrentar problemas de representação”. Em comunicado, o ministério do Trabalho assegurou que ainda não recebeu o relatório oficial da OCDE, para o qual se prevê a divulgação no próximo mês de janeiro.

Recomendadas

Alemanha não vai seguir “política fiscal expansionista” do Reino Unido

As medidas anunciadas pela Alemanha para mitigar a crise energética incluem cortes nos impostos com o intuito de impulsionar a economia. No entanto, existe o risco de causarem um disparo na inflação, bem como a desvalorização da moeda, tal como aconteceu com o Reino Unido.

UGT quer atualização salarial de 7,5% em 2023 e salário mínimo nos 765 euros

A UGT propõe aumentos salariais de 7,5% em 2023 para os setores público e privado, com um mínimo de 60 euros por trabalhador, e uma atualização do salário mínimo para 765 euros, segundo a política reivindicativa hoje aprovada.

AHRESP propõe 25 medidas para o OE 2023 para reduzir impacto da inflação

O cenário do próximo ano é “muito pessimista para o tecido empresarial”, pelo que são necessárias medidas de apoio às empresas e famílias, de acordo com a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal
Comentários