38 entidades nacionais querem investir 57,4 milhões na indústria dos insetos

Agenda InsectERA estima gerar 23 milhões de euros e criar 140 novos postos de trabalho em 2025, com a implementação de três novas fábricas de produção de insetos, uma fábrica de produção de quitosano, um centro I&D e um centro logístico.

Um consórcio de 38 empresas e centros de investigação quer investir 57,4 milhões de euros na industrialização, comercialização e exportação de produtos à base de insetos, com soluções para a área alimentar (animal e humana), indústrias da cosmética e dos bioplásticos e biorremediação, através da criação de soluções de valorização de resíduos orgânicos.

Com a designação de Agenda InsectERA, o consórcio adianta que o investimento tem um horizonte de quatro anos, prevê alocar 25,6 milhões de euros à investigação e desenvolvimento e 29,5 milhões de euros em investimento produtivo. “O plano de investimento preconiza um financiamento próprio das organizações do consórcio de 19,3 milhões de euros”, adianta a InsectERA em comunicado – prevê gerar cerca de 140 novos postos de trabalho e mais de 23 milhões de euros em receitas em 2025, ano de conclusão dos investimentos.

Entre os objetivos gerais da Agenda estão “a criação três novas fábricas de produção de insetos, a criação de uma fábrica de produção de quitosano e de um centro logístico. Estão também contemplados investimentos com obras de construção ou adaptação, aquisição de equipamentos produtivos, incluindo sistemas de climatização, de processamento e de biodigestão, equipamentos de laboratório de controlo de qualidade, embalamento e instalação de painéis solares”. Com este programa de investimento prevê-se atingir a industrialização de, pelo menos, “43 novos produtos e serviços à base de insetos para o mercado”.

Constituída em 2021, a Agenda InsectERA integra os fabricantes nacionais de insetos Ingredient Odissey, Cricket Farming Company Co, Thunder Foods, as indústrias Auchan Retail Portugal, Mendes Gonçalves, Mesosystem, Nutrifarms, PetMaxi, Savinor, Silvex, Solfarcos, Sorgal, os fornecedores de matéria-prima, tecnologias e serviços Agromais, APISB&O Technology, INOVA+, Falcão e Cunha, Figueiredo, Torres, Guerreiro & Assoc., Sense Test, as ENSIIs B2E CoLab, Colab4Food, FeedInov, InnovPlantProtect CoLab, CIIMAR, Egas Moniz, Universidade Nova de Lisboa, Universidade do Porto, INEGI, INESC TEC, INIAV, INL, Instituto Politécnico de Beja, Instituto Superior Técnico, IST-ID, Universidade de Aveiro, Universidade Católica Portuguesa e as associações Agrotejo, IACA, APBio e a DGAV.

Até 2030 estima-se uma produção de 260 mil toneladas de produtos à base de insetos na Europa, entre os quais insetos inteiros, ingredientes de insetos e produtos incorporados com insetos comestíveis.

Ainda segundo o consórcio, no setor europeu da alimentação para animais, a previsão é de uma produção de 500 mil toneladas em 2030, quando até ao início de 2021 eram produzidas apenas 10 mil toneladas de ração à base de proteína de insetos. “No entanto, existem outras opções de exploração do potencial da produção de insetos em áreas ainda pouco exploradas como a da cosmética e dos produtos de bio refinaria”.

Recomendadas

Receitas das estações de serviço na Ibéria cresceram 29% em 2021 devido à subida dos preços

De acordo com a análise que a Informa D&B realizou a este setor, em 2021 o mercado ibérico registou um aumento significativo de 10,6% face a 2020 no volume das vendas de gasolina e gasóleo, que corresponde a 38,30 milhões de toneladas de combustível.

Dona da Betano celebra primeiro ano da TechHub de Lisboa com reforço das equipas

O Tech Hub da Kaizen Gaming em Lisboa já emprega trinta pessoas e o objetivo passa por continuar a crescer no mercado português. Nesse sentido, serão abertas vagas para diversas funções.

PremiumFintech House muda de sede para duplicar número de startups

‘Joint venture’ da associação Portugal Fintech e da rede de espaços de trabalhos partilhados Sitio investiu perto de um milhão de euros na mudança do edíficio na Praça da Alegria para o da Avenida Duque de Loulé, com dez pisos e mais de 2 mil metros quadrados.
Comentários