5 sugestões para correr atrás das passagens de Ano

Faltam pouco mais de dois dias para que 2016 começa a chegar. Mas, o Ano Novo não chega de uma vez. Vai chegando. Primeiro na região da Ásia Pacífico (Kiribati e Samoa). No final é a vez do Havai, nos EUA.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Faltam pouco mais de dois dias para que 2016 começa a chegar. O ano não chega. Vai chegando. Primeiro na região da Ásia Pacífico, mais concretamente na em Kiribati e Samoa. Depois a mudança do ano acontece na Ásia continental, Europa e África, Atlântico e por fim as Américas e de novo o Pacífico, nomeadamente Havai.

São 24 horas de festa que vão acompanhado o movimento de rotação da Terra nos países que se regem pelo calendário Gregoriano.

A Rumbo selecionou, por fuso horário, “cinco das passagens de ano mais divertidas”.

Melbourne, Austrália

Passagem de Ano, Melbourne, Austrália

A Austrália é um dos primeiros países do globo a chegar a 2016 e no que toca a celebrações, a variedade é muita. Em pleno verão, os australianos adoram festejar na praia, em festas temáticas ou em restaurantes com vista privilegiada. Para desfrutar do fogo-de-artifício não há local melhor que em Yarra. Reserve o seu bilhete para um dos vários barcos com música ao vivo e dance toda a noite com a paisagem das luzes coloridas como pano de fundo.

 

Osaka, Japão

Passagem de Ano, Osaka, Japão

Na última noite no ano, o povo japonês conjuga atividades tradicionais com entusiasmantes planos noturnos. Faça ‘hatsumode’ como um dos locais, ou seja, a primeira visita do ano a um dos magníficos templos da cidade. Para os entusiastas da gastronomia oriental, a cidade conta com inúmeras ementas compostas especialmente para esta noite, não fosse Osaka apelidada de “Cozinha do Japão”.

 

Copenhaga, Dinamarca

Passagem de Ano, Copenhaga, Dinamarca

Apesar do frio, os dinamarqueses têm muitas propostas ao ar livre para a Passagem de Ano. Os fãs de feiras populares podem passar uma tarde de adrenalina nos Tivoli Gardens e usufruir da magia do fogo-de-artifício, rodeados pela beleza de um dos locais mais emblemáticos da cidade.

 

Madrid, Espanha

Passagem de Ano, Madrid, Espanha

A capital espanhola é, durante todo o ano, a cidade ‘de la movida’ e na última noite do ano não poderia ser exceção. Tal como nas cidades portuguesas, é tradição grupos de famílias e amigos reunirem-se para contar as badalas e brindar com espumante, mas em vez de passas, os espanhóis comem uvas. A Porta do Sol é o palco preferido e após a meia-noite, a festa continua pela noite dentro nas célebres discotecas.

 

Miami, EUA

Passagem de Ano, Miami, EUA

Com temperaturas amenas todo o ano, Miami é um destino ideal para os amantes de clubes noturnos que este ano contarão com a presença de alguns dos maiores Djs do mundo. Os edifícios Art Déco iluminam-se com a alegria contagiante dos habitantes e turistas que celebram o início do novo ano em South Beach.

OJE

Recomendadas

Alterações do Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura entram em vigor quarta-feira

O Governo aponta que houve “a necessidade de simplificar e ajustar algumas soluções, nomeadamente a respeito do modelo de comunicação da celebração de contratos de prestação de serviço, do regime a aplicar relativamente à prestação social de inclusão, bem como da modalidade contributiva do trabalhador independente”.

Vanguard é o patrocinador oficial da Trienal de Arquitectura de Lisboa 2022

O promotor imobiliário é o patrocinador oficial da 6ª edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, que vai decorrer entre 29 de setembro e 5 de dezembro, revela a empresa liderada por José Cardoso Botelho em comunicado.

PremiumMemórias pessoais e transmissíveis

Mas os diários da minha tia Gália eram de um tipo muito específico: à medida que os lia, a sua textura peculiar — que se assemelhava sobretudo a uma rede de pesca de malha grande — tornava‑se cada vez mais enigmática e interessante.