500 PME abrangidas pelo programa de capacitação Finance For Growth

O projeto Finance for Growth, que termina no fim de março, chegou a 500 empresas do Norte, Centro e Alentejo, através de mais de 660 horas de consultoria.

O Finance For Growth chegou a 500 pequenas e médias empresas (PME) do Norte, Centro e Alentejo. O projeto, que tem como objetivo contribuir para melhorar e diversificar as condições de acesso ao financiamento e promover estruturas financeiras mais equilibradas nas empresas, termina no fim do mês de março.

À luz das circunstâncias atuais provocadas pela pandemia do novo coronavírus e que nos exigem medidas de distanciamento social, o evento de encerramento, Finance Event for Growth, não se realizará nos moldes inicialmente previstos. Ao invés, o evento passa a assumir um contorno digital para chegar a todos os participantes.

É através de uma brochura online, disponível neste link, que são partilhados os conceitos e ferramentas validadas ao longo de todo o projeto. Desta forma, empresários e diretores têm a possibilidade de reforçar os seus conhecimentos sobre fontes diversificadas de capital, com o apoio de testemunhos de especialistas e de casos de sucesso inspiradores.

Chega assim ao fim um projeto que durou dois anos e que chegou a cerca de 500 PME, participantes em mais de 660 horas de consultoria do Norte ao Alentejo.

Por exemplo, nas Finance Talks for Growth (realizadas entre fevereiro e março do ano passado) participaram 279 PME. Já nas Finance Sessions for Growth, foram 151 as PME participantes. Nestas iniciativas, os participantes puderam aprofundar os seus conhecimentos em relação a temas tão diversos como: financiamento, estratégia e inovação. Também os Finance Labs for Growth contaram com 91 PME participantes interessadas no desenvolvimento de estratégias de atuação, modelos de financiamento e acesso a mercados de capital e outras fontes de financiamento.

O projeto contou ainda com as Finance Meetings for Growth, com 96 PME participantes e os Finance Events for Growth, que terminaram durante este mês de março, em que participaram 132 micro e PME.

Destas, 62,7% das PME manifestaram interesse em introduzir processos de inovação disponibilizados no âmbito do projeto. Mais de 70% consideraram a informação e metodologias úteis.

Para José Silva, fundador e CFO da ClusterMediaLabs (Aveiro), “todos os temas tratados têm uma aplicação imediata. Não só na parte da capitalização, que realmente tem partes muito interessantes, mas até nos modelos de financiamento. Há partes também que abordamos de estratégia, inovação e ajuda muito na própria definição estratégica das empresas, que faz muita falta no caso das PME”.

“As fontes de financiamento foram, de facto, uma grande aprendizagem neste programa”, diz Filomena Laranjeira da Silva, Diretora Financeira da Feelauto (Santarém), reforçando que ficou “bastante desperta para estas novas formas de financiamento, o que vai permitir-me alicerçar alguns projetos de outra forma”.

Para benefício de todas as empresas que não puderam estar envolvidas no projeto, todos os conteúdos e aprendizagens são disponibilizados gratuitamente no site do projeto.

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com o Finance for Growth.

Relacionadas

Arranca fase final de programa de capacitação de PME

Arranca no início de fevereiro a quinta e última fase do Finance for Growth, um projeto que já impactou mais de 500 micro, pequenas e médias empresas portuguesas.
Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários