Premium55 mil querem vir trabalhar para cá, mas “não bastam”

Cerca de 55 mil estrangeiros mostraram interesse em vir procurar trabalho em Portugal. É um “número animador, mas escasso”, dizem os patrões. Escassez de pessoal é transversal aos sectores e já se oferecem salários mais elevados.

Cerca de 55 mil estrangeiros já manifestaram interesse junto do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) em vir procurar trabalho em Portugal, ao abrigo do novo visto criado pelo Governo para responder à escassez de mão-de-obra, anunciou a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho. Mas esse número, ainda que “animador”, é escasso face às necessidades do mercado nacional, alertam as confederações patronais, em declarações ao Jornal Económico (JE).

Há, neste momento, milhares de vagas disponíveis na generalidade dos sectores, do comércio à indústria, e há mesmo empregadores dispostos a pagar ordenados superiores à média, apesar do aumento dos custos. Já o tipo de vínculo oferecido a esses possíveis imigrantes varia de atividade para atividade, em função da sazonalidade das funções em causa, adiantam os especialistas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Câmara de Grândola aprova nova descida do IMI e alargamento do IMI familiar

A Câmara Municipal de Grândola aprovou, na passada quinta-feira, as propostas de redução do IMI de 0,34% para 0,33%, e de alargamento do IMI familiar para famílias com um dependente. Reduções que são para vigorarem em 2023.
Comentários