5G: Grupo espanhol Másmóvil vai entrar no leilão português através da Nowo

A Másmóvil entrou no mercado português no ano passado, com a compra, em conjunto com a GAEA, da Cabonitel, dona da Nowo e da Oni, aos fundos da norte-americana KKR.

O grupo espanhol Másmóvil vai tornar-se acionista único da Nowo, operadora através da qual vai concorrer ao leilão de atribuição das licenças de quinta geração (5G) em Portugal, anunciou hoje a empresa.

A Másmóvil entrou no mercado português no ano passado, com a compra, em conjunto com a GAEA, da Cabonitel, dona da Nowo e da Oni, aos fundos da norte-americana KKR.

O grupo de telecomunicações espanhol informou hoje que que foi celebrado em 8 de novembro um acordo para a compra da Oni por parte da Gigas Hosting. Esta operação é na ordem dos 40 milhões de euros, de acordo com a empresa.

“A operação estará em avaliação e aprovação por parte da Autoridade da Concorrência, sendo esperado que a transição esteja completa no início de 2021”, é referido no comunicado.

“A Gigas Hosting SA passa a ter a GAEA Inversión como principal acionista, com mais de um terço das ações”, refere a Másmóvil.

A GAEA era até agora proprietária conjunta com a Masmóvil da Oni e Nowo.

“Esta operação insere-se numa lógica de direcionamento, especialização de gestão e concentração de recursos em dois mercados muito distintos: serviços a grandes empresas e operadoras e o Business To Consumer (B2C)”, salienta a operadora.

Com esta operação, a Nowo “passa a ter a Másmóvil como único acionista com 100% de participação” e este movimento “permitirá concentrar esforços de investimento tanto no futuro 5G, sendo que a Nowo participará no leilão do espectro anunciado pela Anacom na passada quinta-feira, assim como na construção da nova rede de fibra ótica em Portugal”, refere o grupo, em comunicado.

O regulamento do leilão do 5G prevê condições específicas para novos entrantes no mercado.

“Relativamente à rede fibra, este projeto já arrancou em Lisboa e no Porto, mercados prioritários para a Másmóvil, que pretende desta forma replicar a receita de sucesso do nosso país vizinho, com fortes investimentos que vão aumentar a competitividade da Nowo”, acrescenta.

Esta aquisição “surge num momento-chave para a Másmóvil, que espelha o êxito da OPA [oferta pública de aquisição] lançada sobre a operadora pela Lorca Bidco, veículo de investimento constituído pela KKR, Providence e Cinven que já alcançaram uma participação de 99,32% do seu capital, valorizando a empresa em cerca de 5.000 milhões de euros”, lê-se no comunicado.

O regulador do mercado espanhol CNMV suspendeu no passado dia 3 de novembro “a cotação das ações da Másmóvil em Espanha e espera-se a sua saída definitiva das bolsas, nos próximos dias”.

“A presença da Másmóvil e da GAEA, grupos com fortes laços nos últimos anos, irá garantir e potenciar sinergias, assim como rentabilização de custos nas operações da Oni e Nowo, que embora concorram em mercados muito distintos, poderão partilhar recursos, infraestruturas, cooperar no desenvolvimento de soluções avançadas, obtendo economias de escala e melhorias o que permitirá uma maior competitividade”.

Esta operação, adianta, “foi desenhada com um acordo-quadro que permitirá à Oni e Nowo continuarem a colaborar estreitamente no que for necessário para garantir flexibilidade e independência em ambas as operações, mas sem perder qualquer possibilidade de cooperar, para que cada empresa seja a melhor no que faz”.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários