6 mandamentos que deve seguir para captar a atenção dos Millenials

Empresas têm de saber como comunicar de forma simples e eficaz e com os Millenials, essa técnica tem que ser ainda mais apurada.

A forma de comunicar dos Millenials é muito diferente da das gerações anteriores. Estes jovens cresceram numa realidade conectada, são nativos digitais e não conhecem uma vida sem telemóveis ou internet.

“Sentem-se confortáveis com as interações online e geralmente preferem a comunicação baseada em texto, para poderem fazer várias coisas ao mesmo tempo e de forma discreta”, explica Carolyn Blunt, consultora da empresa Interactive Intelligence.

Assim, as empresas têm a necessidade de se adaptarem à comunicação dos Millenials, não só no que diz respeito ao produto, mas também à atenção dada ao mesmos enquanto clientes.

“Se precisam de ajuda para resolver problemas, espera-se que haja uma resposta instantânea nas redes sociais ou por chat”, continua a consultora da Interactive Intelligence, que enumera uma série de aspetos a considerar pelas empresas:

#1. Digital: A acessibilidade da marca para conversar de forma eficiente e rápida através do chat ou de plataformas sociais é fundamental. Uma estratégia de atenção ao cliente baseada nos meios tradicionais afastará os millenialms.

#2. Fácil: O millenial pode encontrar uma resposta facilmente se consultar vídeos do YouTube ou fóruns de opinião especializada.

#3. Rapidez e disponibilidade: a prontidão da resposta é muito importante para o cliente millenium, que vive habituado à satisfação imediata. A conversação em tempo real capta a atenção do cliente digital.

#4. Utilidade: Um millenial espera um tipo de interação útil e inovador.

#5. Interconexão: Os vários elementos de contacto com o cliente, através do twitter, chats, chamadas ou correio eletrónico devem estar num lugar visível.

#6. Agradável e descontraída: A geração millenial utiliza os ‘emoji’ como segunda língua e valoriza uma interação personalizada.

Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários