75% das empresas queixam-se de escassez de mão-de-obra

A escassez de mão-de-obra já não é novidade, mas a recuperação pós-covid-19 tem agravado essa situação. Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico concluem: 75% das cerca de 40 mil empresas ouvidas reportaram falta de talento em 2022, o que reforça a necessidade de apostar na retenção. Já Portugal é o segundo país para os quais há dados onde os trabalhadores maiores de 55 anos mais faltam ao trabalho por causa da saúde.

O problema da escassez de mão-de-obra não é novidade, mas a crise pandémica – e, em especial, o período de recuperação que se tem seguido – tornou-o não só mais evidente como também mais grave. Tanto que os dados divulgados esta semana pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) mostram que entre o último ano antes da covid-19 e 2021 subiu de modo significativo o número de empresas que se queixavam da falta de trabalhadores, e esse universo voltou a engordar em 2022.

“Os níveis sem precedentes de escassez de mão-de-obra e as dificuldades de recrutamento que os empregadores estão a registar reforçam a importância de tomar medidas para melhorar a retenção de trabalhadores”, sublinham os especialistas dessa organização, destacando, nesse âmbito, nomeadamente, a importância da valorização salarial, da flexibilidade, e até do envelhecimento ativo. O relatório não detalha o nível de falta de trabalhadores vivido por cá, mas adianta que Portugal é o segundo país onde os empregados mais velhos mais se ausentam por motivo de doença.

Leia o artigo na íntegra no caderno NOVO Economia, publicado com a edição impressa do Semanário NOVO.

 

Relacionadas

Número de trabalhadores em lay-off cai quase 58%, mas há mais empresas abrangidas

O último mês de 2022 ficou marcado por uma redução do número de trabalhadores em lay-off clássico, apesar dos desafios que se colocam atualmente aos empregadores.

Maioria das construtoras queixa-se de falta de mão-de-obra e do disparo dos preços

75% das construtoras de obras públicas e 82% das construtores de obras privadas queixam-se da escassez de mão-de-obra especializada, problema que se agravou entre o segundo e o terceiro trimestres de 2022. Preços e escassez de materiais também preocupam.
Recomendadas

Premium“Vamos continuar a trabalhar as duas marcas em separado”

Neves e Almeida e CEGOC vão trabalhar em autonomia e com equipas de gestão próprias, mantendo a identidade de cada marca.

Moçambique/Ataques: TotalEnergies pede avaliação a especialista humanitário

A petrolífera quer saber se há condições para retomar o projeto de exploração de gás que estava a construir na região.

CP alerta para perturbações na circulação entre 8 e 17 de fevereiro devido a greves

A empresa indicou também que a informação será atualização, caso venham a ser definidos serviços mínimos pelo Tribunal Arbitral.
Comentários