A abordagem Smart às cidades do Futuro

O termo smart aplicado ao Governo poderá ter sido utilizado antes mesmo das, já sobejamente faladas e tratadas em diversos artigos de opinião, SmartCities, antes mesmo da utilização massiva de tecnologia, e seguramente antes da internet.

A cidade não é inteligente, a forma como trata e aborda os desafios que enfrenta é que é inteligente. A forma como os seus governantes encontram soluções para que os seus cidadãos sejam felizes é que é inteligente, a participação e contribuição activa do cidadão na vida da comunidade que compõe a cidade é que é Inteligente. Sendo a cidade dos cidadãos, com os cidadãos e para os cidadãos, então por fim é este que tem de ser inteligente.

O ritmo acelerado de crescimento dos centros urbanos, a exposição a intempéries e choques climatéricos cada vez mais atípicos e imprevisíveis, uma subida acentuada dos níveis esperados de vida e a aspiração natural mas cada vez mais exigente do cidadão em ser feliz, são todos desafios que aguçam o engenho que alimenta as abordagens inteligentes.

Gostaríamos de destacar alguns desafios e algumas boas perguntas nesta jornada inteligente das cidades.

O primeiro será inevitavelmente a informação. O uso sistemático e lógico de inúmeras fontes de dados de uma forma inteligente que permita à cidade medir o pulso da sua actividade, que permita perceber cada um dos seus cidadãos e que permita prever e antecipar potenciais situações fora do registo normal. Esses dados não pertencem só às entidades governamentais que gerem a cidade, pertencem sim a todas as entidades públicas e privadas que contribuem para a experiência urbana do cidadão, tornando assim menos óbvia a sua partilha sem que antes existem um mecanismo de compensação que torne a situação vantajosa para todos. Este será o primeiro e talvez o mais complexo mas primordial desafio.

Seguidamente vem o financiamento. As formas de financiamento tradicionais reduzem-se a impostos ou dívida, ambos já explorados e aplicados ao limite tanto do tecido social como da capacidade do próprio Estado. Por outro lado as conhecidas PPPs (parecerias publico privadas) que têm uma aplicação prática alinhada com a tangibilidade dos bens que financiam assim como as fontes contínuas de receita que geram, algo bastante diferente dos projectos. Assim tem de se ser inteligente na forma como se envolve o sector privado, por exemplo na melhor gestão dos activos públicos.

Outro desafio será a Governança, a forma como se consegue coordenar, gerir e implementar iniciativas que envolvem diversas entidades e sectores, muitas delas que nem estão sob o controlo da cidade, de forma a que no final seja o cidadão o beneficiado. Este nível sofisticado de organização está grande parte das vezes na origem do sucesso das abordagens mais inteligentes. Existem inclusive muitos casos de estruturas organizativas criadas de propósito e em exclusivo para a coordenação de iniciativas inteligentes.

Outro desafio é a inexistência, ainda, de melhores práticas ou abordagens padrão que possam servir de exemplo. A chave aqui tem sido muito a adaptação de cada abordagem à realidade de cada cidade. No entanto deverá vir a ser possível ter alguns padrões a seguir, tipificando os desafios encontrados.

Finalmente a tecnologia, a ignição do movimento de digitalização e seu principal combustível. O ritmo alucinante de novas tecnologias cria não só falta de foco por parte das cidades e organizações com levanta a questão se estas se conseguem manter a par de tantas e tão rápidas mudanças. Fica sempre a ideia de que não vale investir hoje pois amanhã vai estar obsoleto.

Para a cidade chegar ao futuro tem de ser inteligente na abordagem destes desafios e nas repostas às perguntas que originam, e quanto melhor a pergunta, melhor será a resposta, melhor funcionará a cidade.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Desenvolvimento da Biotecnologia em Portugal

A biotecnologia explora processos celulares e biomoleculares para desenvolver tecnologias e produtos que ajudam a melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Canábis medicinal: um cluster emergente em Portugal?

Portugal está no radar do investimento mundial na cadeia de valor da canábis medicinal, possuindo excelentes condições para se tornar um hub europeu nesta indústria.

ESG no imobiliário: o que as organizações devem considerar

Nas maiores empresas, esta abordagem de integração estratégica está a ser encarada como um imperativo de negócio para criar valor a longo prazo.
Comentários