“A Arte da Guerra”. “A UE tem sempre o Óscar para melhor ator secundário no Médio Oriente”

“Só os EUA têm capacidade de influência no Médio Oriente. O resto é conversa. A União Europeia tem sempre o Óscar para melhor ator secundário nesta região. Paga as contas e as destruições que Israel faz, tenta ser relevante mas os EUA não dão o mínimo espaço”, sublinhou  o embaixador Francisco Seixas da Costa.

Está por saber-se de que forma irão acabar os desentendimentos entre Israel e a Palestina, que passaram por um novo período, em pré-eleições, de forte violência na Faixa de Gaza.

Sempre que há eleições em Israel surgem problemas na Faixa de Gaza e 2022 não é exceção. A auto-designada “ofensiva preventiva israelita no território tornou-se no pico mais grave de violência na área desde 2021.

“Só os EUA têm capacidade de influência no Médio Oriente. O resto é conversa. A União Europeia tem sempre o Óscar para melhor ator secundário nesta região. Paga as contas e as destruições que Israel faz, tenta ser relevante mas os EUA não dão o mínimo espaço”, sublinhou  o embaixador Francisco Seixas da Costa no programa da plataforma multimédia JE TV.

Relacionadas

Eleições em Israel, problemas na Faixa de Gaza. Veja a “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Sempre que há eleições em Israel, surgem problemas na Faixa de Gaza e 2022 não é exceção. O “dispensável” jogo perigoso em Taiwan e a forma como Putin está a colocar o gás e o petróleo no tabuleiro da guerra serão outros temas analisados pelo embaixador Francisco Seixas da Costa.
Recomendadas

Luís Gomes: “O país precisa de uma nova arquitetura da Função Pública”. Veja o “Discurso Direto”

Discurso Direto é um podcast do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários