A certificação energética de edifícios

A certificação energética existe em Portugal desde 2007, em resultado da diretiva europeia sobre o desempenho energético de edifícios


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A adoção de comportamentos e práticas mais eficientes no consumo de recursos energéticos permite poupar recursos financeiros. O Programa Polo Positivo pode significar o primeiro passo para várias Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) na gestão mais sustentável dos seus recursos, tornando-as mais eficientes e eficazes na sua atividade. A importância da sustentabilidade económica das IPSS e das iniciativas que contribuem para este objetivo, considerando que a energia poupada reverterá a favor de quem mais precisa, é o principal objetivo deste projeto. A partilha dos conteúdos desta iniciativa também permite fazer uma gestão mais eficiente dos consumos energéticos da sua casa ou da sua empresa.

Certificação energética
A certificação energética existe em Portugal desde 2007, em resultado da diretiva europeia sobre o desempenho energético de edifícios, passando a abranger todos os edifícios a partir de 2009.
Desde essa data, todos os edifícios estão obrigados a ter um certificado energético no momento da sua venda ou arrendamento. Os edifícios de comércio e serviços com mais de 1.000 m2 estão também sujeitos a auditorias energéticas periódicas – para avaliar o seu desempenho e respetivas oportunidades de melhoria.
O certificado é emitido por um Perito Qualificado e serve para informar qual o desempenho energético do edifício – classificando-o num escala de A+ a F, estimar o consumo energético em condições padrão e, com isso, identificar as medidas que possam melhorar a eficiência energética, o conforto e reduzir os custos com a energia. Para calcular o desempenho energético e emitir o certificado de um edifício de serviços são considerados como fundamentais os seguintes critérios:
• Análise dos elementos construtivos: paredes, janelas, coberturas, pavimentos, entre outros fatores.
• Análise das características de eficiência dos principais sistemas energéticos: iluminação, climatização, aquecimento de água e outros equipamentos.
• Análise do aproveitamento de fontes renováveis de energia.

Desta avaliação resulta a identificação e proposta de potenciais oportunidades de melhoria, sendo estimados os custos de investimento, a redução anual da fatura energética e as perspetivas de retorno das mesmas.
O certificado resulta assim numa ferramenta importante para a identificação criteriosa e avaliação mais detalhada das medidas de melhoria possíveis, realizada através de um técnico capacitado para assessorar o proprietário do edifício, de forma independente e rigorosa.
O trabalho de diagnóstico e identificação de oportunidades de melhoria, se realizado com o apoio ou envolvimento de um perito qualificado do Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE), pode culminar com a emissão do respetivo certificado energético, que atesta o desempenho energético do edifício.

OJE/Polo Positivo

Recomendadas

SAD do Sp. Braga com resultado positivo de 3,1 milhões de euros na época passada

Relativamente ao exercício financeiro que terminou a 30 de junho deste ano, que ainda não refletem a venda do passe futebolístico do defesa central David Carmo (transferência fechada para o FC Porto na ordem dos 20 milhões de euros), a SAD dos bracarenses destaca que este foi um período “pautado por múltiplos constrangimentos associados à pandemia”.

Sonaecom rasga acordo com Isabel dos Santos

“À Sonae passa a ser imputada uma participação na NOS de cerca de 36,8% do capital social e dos direitos de voto nessa sociedade”, detalha a empresa liderada por Cláudia Azevedo.

Toyota Caetano Portugal com lucros de 7,3 milhões no semestre

Em comunicado à CMVM, a Toyota Caetano Portugal diz que os resultados líquidos consolidados ascenderam a 7,3 milhões de euros, o que compara com 11,7 milhões em dezembro de 2021 e com 2,98 milhões em junho de 2021.