A crise monetária turca

Erdogan reagiu à forte desvalorização da lira culpando os mercados e os países ocidentais, os quais acusa de travarem uma “guerra económica contra a Turquia”.

As últimas semanas têm sido marcadas por uma grande instabilidade no mercado cambial. O caso mais noticiado pela comunicação social foi o da lira turca que sofreu, durante o mês de agosto, uma desvalorização de 19% em apenas uma sessão, face ao dólar americano. A desvalorização face às moedas fortes já vinha acontecendo gradualmente nos últimos anos, tendo sido também acompanhada por um aumento do preço das obrigações turcas e descida do preço das ações.

Esta situação acabou por contribuir para desvalorizações noutras moedas de ‘mercados emergentes’ como é o caso do peso argentino, do peso mexicano ou do rand sul-africano e também para a instabilidade no setor bancário, com alguns bancos com maior exposição a ativos turcos a sofrer quebras acentuadas.

Analisando a economia turca verifica-se que, apesar de ter registado uma taxa de crescimento do PIB de 7,4% no ano passado, segundo o Fundo Monetário Internacional este crescimento está a ser influenciado pelo crédito barato e é muito superior ao do PIB potencial que, de acordo com essas fontes, deveria ser de apenas 4%. Os custos deste forte crescimento têm sido claros. O principal é um aumento forte da taxa de inflação, que atingiu os 11,9% em 2017 e perto de 16% em julho do presente ano.

Estas elevadas taxas de inflação contribuem para a degradação do poder de compra dos turcos e geram receios sobre uma possível espiral hiperinflacionista, principalmente porque aquelas não foram acompanhadas por um aumento nas taxas de juro. A dívida externa do país também tem crescido de maneira alarmante, ultrapassando este ano os 450 mil milhões de dólares. Também não foi do agrado dos investidores o facto do ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, escolhido para o novo governo que tomou posse este verão, ser o genro do Presidente Erdogan.

Fatores externos também levaram a este desenrolar dos acontecimentos, como o anúncio por parte do presidente Donald Trump de que os EUA têm a intenção de impor taxas alfandegárias de 50% sobre as importações turcas de aço e de 20% sobre as importações de alumínio como parte da sua nova estratégia protecionista. O próprio Trump reconheceu num tweet que a relação entre os dois países não é boa, penalizando ainda mais a lira.

Perante esta forte desvalorização da lira, a reação de Erdogan e dos responsáveis turcos foi culpar os mercados e os países ocidentais, acusando-os de travar uma “guerra económica contra a Turquia”. O presidente turco também designou as taxas de juro como “a mãe e o pai de todo o mal” e anunciou não ter a intenção de as subir. Apelou ainda aos turcos para comprarem liras e venderem dólares, de modo a tentar reverter a evolução recente do par cambial.

Que futuro para a crise turca?

No dia 13 de setembro, o Banco Central turco anunciou uma subida dos juros de 17,75% para 24%, surpreendendo os investidores e levando a uma subida pronunciada da lira nos mercados cambiais. No entanto, e apesar de no curto prazo esta medida acalmar os investidores, no médio/longo prazo a economia turca continua a apresentar desequilíbrios estruturais que podem conduzir a uma crise cambial e económica.

Recomendadas

Wall Street recupera e vai de fim de semana com subidas

Ainda assim, os títulos da Meta Platforms, que detém o Facebook, deslizaram após vir a público que a empresa liderada por Mark Zuckerberg está a cortar os planos de contratação de engenheiros, antecipando uma eventual desaceleração económica.

PSI fecha no verde com EDP Renováveis a disparar mais de 5% e EDP mais de 4%

Apesar da leitura preliminar da inflação, no mês de junho, ter registado um novo pico, acima do esperado, os mercados não reagiram negativamente. Ainda assim as bolsas da Europa fecharam mistas. Energia e utilities em forte alta.

Wall Street entra em julho com o pé esquerdo

O sector dos semicondutores está a cair após a empresa Micron Technology, fabricante de chips, ter apresentado um ‘guidance’ fiscal para o quarto trimestre que desiludiu o mercado. As concorrentes perdem mais de 2% no arranque da última sessão da semana.
Comentários