A experiência do Colaborador no Mundo Híbrido

A experiência do colaborador está no cerne das preocupações da gestão de RH e organizações. E porquê?

 

Não só os modelos de trabalho alteraram, como essa alteração foi acompanhada e acelerada pela mudança de expectativas das pessoas.

Renovadas expectativas

Da vontade e feedback transmitido em diversas pesquisas e estudos, – recorde-se o “Work Trend Index 2021”, da Microsoft, no qual 41% dos inquiridos admitiam considerar uma mudança de função ou organização no pós-pandemia – passou-se à ação. Já documentado e nomeado como o “The Great Reshuffle”, com milhares de pessoas a deixar cidades como Nova Iorque em busca de novos desafios e propósitos para as suas vidas.

Maior flexibilidade e realização pessoal e profissional é ambicionada quer por “information workers”, quer por trabalhadores na linha da frente. Este último perfil, transita de dois anos particularmente desgastantes e aspira no pós-pandemia maior vínculo, cultura, capacitação tecnológica e formação. No “Work Trend Index special report” da Microsoft, 60% dos inquiridos que integram equipas na linha de frente reportaram que as suas empresas deveriam melhorar a comunicação interna e 51% afirmaram não se sentir valorizados. Assinalam ainda o otimismo em relação à tecnologia e formação, pelas oportunidades de empregabilidade futura.

Uma relação mais dinâmica entre empregadores e colaboradores

As pessoas já não escolhem um emprego baseado somente na localização e salário. Consoante o tipo de organização e indústria, poderão ter que coexistir diversos modelos de trabalho – sendo clara, não será possível que todos trabalhem num modelo híbrido – é possível e fulcral criar um fio condutor comum: flexibilidade, sistema de escuta ativa, lideranças empáticas e novas experiências de colaborador.

Flexibilidade é a chave. No Linkedin Great Reshufflle Survey 2021, 81% dos executivos afirmou estar focado em adaptar-se para oferecer maior flexibilidade no local de trabalho.

Na visão da Microsoft, é necessário reimaginar um novo modelo organizacional, construído em torno de três pilares: Pessoas, Espaços e Processos. As organizações que trabalhem ativamente na melhoria da experiência dos colaboradores irão ter mais capacidade de atrair e reter melhores talentos, com impacto direto na rentabilidade e possibilidades de sucesso futuro.

Como é que a tecnologia pode ajudar?

Mais do que nunca, as organizações necessitam de ferramentas tecnológicas eficazes, que coloquem as pessoas no centro. Este mês assinala o primeiro aniversário do Microsoft Viva, plataforma de experiência de colaborador, projetada para a era híbrida e um facilitador na aceleração desta transformação.

O Microsoft Viva agrega aos sistemas de trabalho (Microsoft 365) os sistemas de apoio, para uma experiência integrada dos colaboradores, independentemente do seu perfil funcional e localização.

O Viva Connections liga o colaborador à cultura e comunicação interna, reunindo notícias, tarefas, pessoas e recursos. O Viva Insights traz novas experiências de produtividade e bem-estar; ajuda as pessoas a proteger o seu tempo, para uma gestão mais equilibrada e promotora de uma produtividade sustentável a longo-prazo.

As aplicações Viva Learning e o Viva Topics focam-se no acesso, numa única fonte de curadoria, aos diversos conteúdos formativos e facilitam a partilha de conhecimento e experiência existente na organização, respetivamente.

A esta experiência de quatro módulos, brevemente juntar-se-á um quinto, focado em OKR (Objectives and Key Results). Sendo esta uma plataforma desenhada sob a premissa de extensibilidade, outros módulos e novas experiências serão incorporadas futuramente.

Considerações finais

Gerir esta mudança não é fácil, mas é uma oportunidade única de reescrevermos o trabalho num futuro híbrido. Se abraçarmos os dados, ouvirmos o feedback de colaboradores, clientes e restantes stakeholders para criar melhores experiências e incorporarmos flexibilidade, podemos criar melhores modelos de trabalho.

Para ouvir mais sobre este tema, registe-se para assistir ao próximo webinar  do Microsoft Envision – “A experiência do Colaborador no Mundo Híbrido”, dia 22 de fevereiro, às 10h.

 

 

 

Paula Fernandes

Modern Work & Security Business Group Lead na Microsoft Portugal

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Microsoft.

Recomendadas

Sete ideias de investimento que podem trazer retorno inesperado

Com o mercado de ações a flutuar, Maxim Manturov, Head of Investment Advice na Freedom Finance Europe, explora sete ações subvalorizadas, que permitem aos investidores diversificar o seu portfolio.

“Os consumidores estão muito mais preocupados com aquilo que comem mas mais sensíveis às modas”

Paula Bico, Diretora do de Serviço de Nutrição e Alimentação da DGAV, alerta sobre a necessidade de mais informação para permitir aos consumidores fazer escolhas informadas.

Startups: o motor de inovação do mundo Corporate

O mercado de startups em Portugal é ainda jovem, mas está vibrante e em franco crescimento, representando já 1,1% do PIB nacional. Há, atualmente, mais de 2150 startups registadas no nosso País, 13% acima da média europeia de número de startups per capita.
Comentários