Premium“A fiscalidade ainda não está adaptada à economia que estamos a criar”

Eurodeputada do PSD é autora das novas regras de combate antifraude que vão facilitar a deteção de desvios no IVA no comércio online. Modernização das administrações tributárias e criação de megabase de dados são prioridades para reduzir fuga ao Fisco.

O Parlamento Europeu aprovou esta semana dois relatórios da autoria da eurodeputada Lídia Pereira, eleita pelo PSD, que estabelecem novas regras para combater a fraude ao IVA no comércio eletrónico. A eurodeputada diz, em entrevista ao JE, que este pode ser o primeiro passo para uma revisão geral do regime do IVA e defende que a fiscalidade deve acompanhar a evolução digital.

Defende que o regime do IVA deve tornar-se mais simples para as empresas e os cidadãos. Como define o atual regime?
O regime do IVA a nível europeu é muito díspar. Em Portugal há comunicação às autoridades fiscais, porque a maioria dos serviços tem a obrigação de transferir dados dos serviços prestados à autoridade tributária. No comércio eletrónico, que é o principal alvo destes relatórios, a coleta do IVA não é feita uniformemente (quando é feita), o que leva a um diferencial entre o IVA esperado e o IVA cobrado. Estamos a falar de um desvio do IVA na ordem dos 137 mil milhões de euros só em 2017, o que corresponde a 267 euros perdidos por cada pessoa na UE.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Parlamento Europeu reforça instrumentos de combate à evasão fiscal no comércio eletrónico

A criação de uma megabase de dados sobre compras feitas online, através de pagamentos por cartão, débito direto ou transferências de crédito, é uma das medidas propostas pela eurodeputada do PSD Lídia Pereira, que visam dotar a União Europeia (UE) de novos mecanismos para combater a fraude ao IVA no comércio eletrónico.
Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários