PremiumA fusão Cofina / Media Capital vai avançar?

Após o anuncio da oferta em 2019, o próximo ano deverá ser o da conclusão de um processo que irá criar o maior grupo de media no no país

Após o anuncio da oferta em 2019, o próximo ano deverá ser o da conclusão de um processo que irá criar o maior grupo de media no no país. A Cofina, detida pelo empresário Paulo Fernandes, lançou em abril de 2019 uma oferta de pública de aquisição à Media Capital aos espanhóis da Prisa, e deverá pagar 123,2 milhões de euros pela dona da TVI. Assumindo uma dívida da Media Capital, o valor da operação ascende a 205 milhões de euros. O grupo de Paulo Fernandes vai pagar 1,5406 euros por cada ação da Media Capital.

Sem oposição da ERC ou da Anacom, o negócio tem ‘luz verde’ da Autoridade da Concorrência e deverá estar concluído até março de 2020, uma vez que Cofina e Media Capital têm de cumprir várias obrigações até ao fim do primeiro trimestre do próximo ano para que a operação fique oficialmente concretizada.

Depois, a Cofina/Media Capital passa a ser o maior grupo de media do país, à frente da Impresa, dona da SIC. Observada a última contabilidade anual da Cofina e da Media Capital, o novo grupo terá uma faturação acumulada superior a 270 milhões de euros, cerca de cem milhões acima da faturação anual de 172 milhões da Impresa, em 2018).

O grupo que resultar desta fusão vai estar presente em toda a linha nos media. Do lado da Cofina há os seguintes títulos: Correio da Manhã, Jornal de Negócios, Record, Destak, Mundo Universitário, Sábado, Máxima, TV Guia, além da televisão CMTV e a empresa de jogos e apostas online Nossa Aposta.

Do lado da Media Capital estão os canais TVI, TVI 24, TVI Internacional, TVI Ficção, TVI Reality e TVI África, as rádios Comercial, M80, Cidade, Smooth FM e Vodafone FM, o sítio Mais Futebol, o portal IOL, o Portugal Diário e a Agência Financeira.
A produtora Plural Entertainment também entra no novo grupo. A operação é complexa, de tal modo que Meo, NOS, Vodafone, Impresa e o Global Media Group alertaram a AdC de potencial restrição à concorrência no mercado. Contudo, a AdC permite o negócio.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“2023 será um ano de crescimento nos mercados externos”

O Grupo VAA tem como objetivo globalizar as suas duas marcas principais, Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e identificou sete mercados estratégicos onde está a apostar, explica Nuno Barra.

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.
Comentários