A hora é agora!

Apesar da crise que afeta a Europa e os EUA, verifica-se uma procura crescente pela relojoaria de luxo, com listas de espera para modelos de diversas marcas.

A Panerai permanece inabalável na sua busca pela criação de instrumentos que sejam confiáveis em condições extremas. Com o lançamento da coleção Panerai Luminor Due TuttoOro, a marca apresenta os seus primeiros relógios com pulseiras em ouro. O Luminor Due TuttoOro representa um dos relógios mais elegantes do portfólio Panerai, com uma aura luxuosa. Os contornos finos e o estilo descomplicado do Luminor Due tornam-o versátil, podendo ser usado tanto em ocasiões mais casuais, como num ambiente formal, adaptando-se a qualquer estilo que se queira afirmar. A caixa tem 38mm de diâmetro em goldtech, bisel em Panerai Goldtech polido e pulseira forjada a partir de Panerai Goldtech, incorporando significativas quantidades de cobre e platina. Trata-se de um material que pertence integralmente à identidade da Panerai. O cobre contribui para o tom avermelhado e profundo do metal, enquanto o teor de platina assegura que a cor permanece pura e radiante. A caixa engloba um dispositivo de proteção da coroa ‘safety lock’, em Goldtech polido e vidro de safira feito de corindo. O Luminor Due TuttoOro apresenta um mostrador ‘sandwich’ escovado e uma textura subtil à superfície, que reflete a luz ao longo da sua extensão, mesmo com o menor dos movimentos, e exibe minutos, horas, pequeno ponteiro dos segundos e a data. Está disponível em duas cores, branco e azul-marinho profundo, sendo que este último é vendido apenas em boutiques Panerai.

À volta do mundo
Reconhecido como cientista e técnico de excelência, Abraham-Louis Breguet associou o seu destino ao da Marinha francesa em 1814, quando se tornou membro do Bureau des Longitudes por decreto real, juntamente com académicos como Delambre, Biot e Laplace. Uma das funções do Bureau des Longitudes era resolver problemas astronómicos relacionados com a determinação da longitude no mar. Contudo, foi um ano mais tarde que o Rei Luís XVIII concedeu a Breguet um dos títulos mais honrosos da época: o de relojoeiro da Marinha Real. As frotas dos maiores exploradores navegaram equipadas com um sistema de medição de tempo Breguet. Atualmente, a linha Marine, com o seu visual elegante, embora desportivo, é uma das coleções emblemáticas da marca. O Hora Mundi é um relógio mecânico que demorou três anos a ser desenvolvido e ao qual foram concedidas quatro patentes, apresentando uma característica decisiva na forma de um mostrador ‘dual-time’ de troca instantânea com função de memória. Este feito técnico é alcançado através do impulsor e da coroa. Ao selecionar a hora e a data da primeira cidade, apenas temos de definir a segunda cidade. Depois, o mecanismo do relógio calcula a hora e a data através de um sistema inteligente de cames, martelos e diferencial integrado. Nesse momento, basta simplesmente pressionar o impulsor para viajar de um extremo ao outro do planeta, tudo isto sem perturbar o funcionamento preciso do relógio. Tornar o mostrador legível e, ao mesmo tempo, proporcionar uma estética especial a cada indicação: para a Breguet, o luxo reside nos detalhes – é por isso que os ponteiros das horas e dos minutos, bem como os marcadores das horas, são adornados com material luminescente, garantindo a legibilidade noturna.

Lenda da Fórmula 1
A marca suíça apresenta o novo TAG Heuer Formula 1 Senna, uma edição especial com a cor encarnada original do relógio de Senna, dando continuidade à homenagem ao seu embaixador, Ayrton Senna. Apenas alguns meses após o lançamento da versão quartzo do novo TAG Heuer Formula 1 Senna Special Edition, a manufatura suíça de relógios de luxo apresentou uma nova versão, equipada com um poderoso movimento automático e um design ainda mais forte. Com estas duas variações – um cronógrafo automático e um cronógrafo quartzo – a TAG Heuer continua a prestar um tributo vibrante a Ayrton Senna, uma lenda admirada e adorada no seio do desporto automóvel, assim como junto dos fãs de Fórmula 1. Considerado um dos melhores pilotos de todos os tempos, Ayrton Senna representa a procura pela excelência e pela performance. Vinte e oito após a sua morte prematura, continua a ser um dos mais icónicos pilotos do desporto automóvel. A colaboração entre a TAG Heuer e Ayrton Senna teve início em 1988 e, durante a sua carreira, o embaixador de longa data da TAG Heuer redefiniu a palavra “motivação” através de inúmeros recordes. Na altura, o brasileiro dominou a Fórmula 1, tornando-se campeão do mundo em 1988, 1989 e 1991. Para prestar tributo ao legado de Ayrton, a TAG Heuer continua a sua busca pela criação do relógio Formula 1 perfeito, aquele que o lendário piloto teria adorado usar. Todo o look do TAG Heuer Senna Special Edition é um casamento elegante de encarnado, antracite e preto, em linha com os códigos de design do icónico S da marca Senna.

Uma aventura perpétua
Em 2022, a Jaeger-LeCoultre apresentou pela primeira vez um calendário perpétuo na linha Polaris, enriquecendo a coleção com uma das complicações mais complexas, úteis e valiosas da relojoaria. Com um mostrador em laca com uma profunda cor azul ‘degradé’, que amplifica o seu estilo desportivo e elegante, o Polaris Perpetual Calendar é inspirado no Polaris Mariner Memovox. O seu movimento interno recém-desenvolvido, Calibre Jaeger-LeCoultre 868AA, exibe as fases da lua em ambos os hemisférios, assim como uma reserva de marcha estendida de 70 horas, além dos displays de calendário perpétuo e luneta rotativa interna. A Jaeger-LeCoultre relançou o nome histórico Polaris em 2018 com uma linha de relógios totalmente nova, aproveitando o distinto legado de relógios de mergulho da manufatura e traduzindo, de uma forma contemporânea, o espírito do célebre Memovox Polaris de 1968. No fim do século XIX, a LeCoultre & Cie desenvolveu os seus primeiros relógios de bolso com calendário perpétuo. Desde então, os relojoeiros da manufatura melhoraram continuamente a precisão e a qualidade destes notáveis mecanismos. Para o novo Polaris Perpetual Calendar, a Grande Maison apresenta o Calibre Jaeger-LeCoultre 868AA.

O esplendor da arte
No âmbito da parceria com o Louvre, iniciada em 2019, e após um intenso trabalho de colaboração com os seus curadores e historiadores, a maison suíça Vacheron Constantin desenvolveu uma série de quatro relógios com base em obras da antiguidade que integram o acervo do museu. Estas obras-primas constituem o núcleo de uma excecional exibição de técnica relojoeira protagonizada pelos experientes artesãos da marca. A colecção Métiers d’Art da Vacheron Constantin oferece-lhe a oportunidade de viajar através do tempo e do espaço, descobrindo, ou redescobrindo, relevantes capítulos da história e símbolos artísticos e culturais de civilizações que marcaram a humanidade. Em colaboração com as equipas do museu, os designers e os criadores da marca relojoeira desenvolveram uma nova série de relógios Métiers d’Art, inspirada nestas emblemáticas obras-primas. Atravessando quatro épocas, o fio condutor percorre grandes civilizações, cada uma delas representada por uma obra artística, selecionada do catálogo do museu parisiense.

Leitura excepcional
A Bell & Ross desenvolve relógios resistentes e precisos. O novo BR V2-92 Full Lum cumpre este requisito. Um relógio desportivo pensado para ter uma luminosidade superior e uma legibilidade máxima, seja de dia ou de noite. Resistente à água até uma profundidade de 100 metros, apresenta-se numa caixa de aço de 41 mm. Com um acabamento Full Lum moderno e funcional, este relógio também mergulha no coração da noite urbana. O conceito Full Lum da Bell & Ross surgiu em 2019. Estes relógios distinguem-se pelo seu mostrador fotoluminescente. O BR V2-92 Full Lum é o quarto modelo desta família. Este relógio de três ponteiros não tem medo de contrastes. O modelo tem um acabamento muito contemporâneo que permite ao mostrador ser completamente luminescente no escuro. Mostra a hora, minutos e segundos pelos ponteiros centrais e a data numa abertura. “Lum” evoca Super-LumiNova, uma substância fosforescente que se ilumina no escuro. Inalterável, esta tinta armazena a luz do dia para a restaurar ao cair da noite. Os seus mostrador, ponteiros, números e índices beneficiam deste revestimento ultra-luminescente em duas cores distintas.

Durante o dia, o mostrador oferece duas tonalidades únicas. A base é adornada com um subtil e misterioso verde-água. Os ponteiros, números e índices são cobertos com Super-LumiNova C3 amarelo-pálido. À noite, a Super-LumiNova brilha. O fundo do mostrador irradia um azul intenso. Os ponteiros, números e índices iluminam-se num deslumbrante verde-claro. Estes tons fluorescentes contrastam com os contornos pretos. À noite quase todos os relógios são cinzentos e escuros, exceto o BR V2-92 Full Lum, cujas cores cintilam no escuro. Este relógio cria um universo fluorescente, cintilante e colorido.

Alto desempenho
Embora originalmente concebido para corridas de carros, o Speedmaster da Omega estava destinado a voar, tornando-se o primeiro relógio a ser usado na Lua e um objeto incontornável para aventureiros em todos os cantos da Terra. Em 2022, o cronógrafo profissional está de volta para conquistar uma nova geração de fãs do Speedy. O famoso Speedmaster ‘57 da Omega, introduzido pela primeira vez em 2013, regressa este ano com uma atualização Master Chronometer e um perfil mais fino. A nova coleção de 40,5 mm consiste em oito modelos em aço inoxidável, todos com um aspeto simplificado, com toques da icónica herança e cores novas e ousadas. A Omega apresenta para 2022 uma atualização completa da linha Speedmaster ’57 de dois contadores, uma subcoleção da família Speedmaster que se baseia no primeiro Speedmaster, a ref. CK 2915- -X, apresentando algumas atualizações notáveis, mesmo que o pacote estético permaneça semelhante. Os novos modelos destacam-se pela presença de um novíssimo movimento cronógrafo de corda manual, o calibre Omega 9906. Este é, naturalmente, certificado Master Chronometer pelo METAS, possui tambores duplos montados em série, para uma reserva de marcha de 60 horas, é equipado com uma roda de colunas e possui a decoração Côtes de Genève habitual da Omega. Mas o grande destaque do novo movimento reside no seu tamanho. Com cerca de 31,5mm de diâmetro e uma espessura de apenas 6,4 mm, o calibre 9906 é mais fino do que vários outros movimentos cronógrafo manual convencionais. Graças a este facto, o novo Speedmaster ’57 transforma-se no menor Speedmaster com certificação Master Chronometer até agora, medindo 40,5 mm de diâmetro e menos de 13 mm de espessura. Em termos de design, a caixa do novo Speedmaster ’57 foi redesenhada para se assemelhar ainda mais ao perfil do CK 2915 original, apresentando asas retas sem facetas, protetores de coroa ausentes e uma caixa simétrica. Já o mostrador mantém os clássicos ponteiros “Broad Arrow” e, no mostrador preto, os marcadores das horas afundados e a mesma cor de Super-LumiNova em tons ‘vintage’ que é encontrada nos lançamentos anteriores do Speedmaster ’57. As variantes de mostrador verde, bordeaux e azul apresentam marcadores de horas aplicados e Super-LumiNova branco que brilha a verde no escuro. Por fim, a luneta recebe uma inserção em aço para a escala do taquímetro, que sofreu um tratamento de gravação a laser preto. ■

Linguagem única
Depois de 40 anos focados na “Arte da Fusão”, a Hublot teve uma ascensão meteórica, que a propulsou até à relojoaria de inovação. Com a sua capacidade de promover casamentos suaves entre materiais diametralmente opostos, além do desejo incansável de ir além dos limites daquilo que é técnica e esteticamente possível, a marca reescreveu as leis da relojoaria, criando uma nova linguagem de design. Investindo no desejo de trabalhar com os mais talentosos profissionais das mais diversas áreas, a marca introduziu a sua “Hublot Loves Art”, há mais de uma década. A forma enganadoramente simples, industrial, da obra de arte de 40 cm é reinterpretada nos 44 mm do Big Bang Tourbillon Samuel Ross, o primeiro relógio de pulso de Ross, em colaboração com a Hublot. O uso da cor, o amor pela geometria rigorosa e pelo design urbano, emblemáticos do trabalho de Ross, acompanham a inovação e a precisão que prevalecem no trabalho tanto de Ross quanto da Hublot. O hexágono diferenciado e estilizado da caixa do Big Bang é refletido na malha em favo de mel de titânio utilizada no mostrador de safira, na caixa, no fundo da caixa e na pulseira. O bloco básico de construção da natureza, a forma robusta e eficiente, que se repete sem lacunas ou sobreposições, foi apropriada como padrão para construção e desenho, graças ao ajuste perfeito de cada unidade. Aqui, o hexágono é um símbolo da funcionalidade do relógio.

Espírito de aventura
A origem da linha Tudor Ranger remonta a 1929, ano em que Hans Wilsdorf registou o nome “Ranger”, três anos após o registo da marca “The Tudor”. Inicialmente, a designação não se destinava a este modelo específico, mas sim a vários relógios da coleção Tudor, para lhes conferir um caráter aventureiro. A estética do Ranger, tal como a conhecemos, só surgiu nos anos 1960. Caracteriza-se por grandes algarismos árabes, revestidos com material luminescente, às 3 (nos modelos sem visualização da data), 6, 9 e 12 horas, assim como por ponteiros com um design único. O modelo Ranger segue os padrões estéticos que marcaram a sua história, incorporando também elementos técnicos de ponta, em especial através do calibre de manufatura de alto desempenho e do fecho Tudor “T- -fit” de ajuste rápido. Perpetua, no seio da coleção Tudor, a tradição do relógio de expedição, criado na mesma época do que os relógios Oyster Prince, utilizados pelos membros da expedição britânica ao norte da Gronelândia. Para fazer referência a esta herança funcional, a caixa de 39 mm e a bracelete do Ranger apresentam um acabamento escovado e acetinado, criando um visual inteiramente mate, no mais puro espírito do “relógio-ferramenta”. Alguns elementos, porém, apresentam um acabamento polido, de forma a realçar as linhas da caixa, à semelhança do contorno inferior da luneta. Quanto ao mostrador, os mais perspicazes irão notar um pormenor de inspiração histórica: os marcadores das horas revestidos com material luminescente. De cor bege, eles criam um perfeito contraste com o mostrador preto mate granulado, além de combinarem com a tonalidade das inscrições e do logótipo escudo da Tudor. Os ponteiros, em forma de flecha arredondada para indicar as horas e angulares para indicar os segundos, são próprios da estética do Ranger e incluem uma novidade com a extremidade do ponteiro dos segundos de cor bordeaux. O modelo Ranger está equipado com o calibre de manufatura MT5402. A estrutura foi concebida para garantir robustez, longevidade, fiabilidade e precisão, tal como o seu oscilador de inércia variável, cujo funcionamento é assegurado por uma ponte transversal robusta com dois pontos de fixação. ■

Tonalidades sobrepostas
A Breitling acaba de revelar o novo Chronomat Automatic GMT 40. O novo modelo troca o cronógrafo encontrado nos modelos maiores por uma complicação de fuso horário duplo e um look simplificado. As cidades abriram-se, um mundo privado de viajar está ansioso por voltar a movimentar-se e, em resposta, as confusões relacionadas com os fusos horários voltaram em grande. O Chronomat Automatic GMT 40, cujo nome deriva do “Greenwich Mean Time” o fuso horário padrão internacional original, é um tributo às viagens – não apenas pelo seu visor de fuso horário duplo, mas também por causa da sua estética descontraída. As cores de mostrador subtis: preto, azul, verde, antracite e branco, combinadas com uma caixa e bracelete em aço.

Desafiar os limites
O Oyster Perpetual Deepsea Challenge estabelece um novo marco no universo dos relógios de mergulho criados pela Rolex. Com garantia de estanquidade até à profundidade de 11 mil metros, fabricado em titânio RLX e equipado com válvula de hélio e sistema Ringlock, possui a capacidade de resistir a qualquer tipo de imersão, quer seja em águas abertas, num submersível ou em câmara hiperbárica. Um relógio pensado para fazer da pressão um aliado em qualquer circunstância e um apelo a ampliar um pouco mais o horizonte das profundidades.

O Deepsea Challenge representa todo o ‘know-how’ da Rolex no âmbito dos relógios de mergulho. Combina as principais inovações desenvolvidas pela marca há muitos anos: o sistema Ringlock, uma arquitetura de caixa patenteada que lhe permite resistir às pressões extremas; a válvula de hélio, que serve para evacuar, durante as fases de descompressão na câmara hiperbárica, o excesso de pressão interna que pode comprometer a integridade do relógio; a coroa Triplock, com três zonas de estanquidade, e ainda a visualização Chromalight, que se distingue por um material luminescente de longa duração que melhora a legibilidade. Com o objetivo de testar a estanquidade de cada um dos Deepsea Challenge que produz, a Rolex desenvolveu especificamente, em parceria com a Comex (Compagnie Maritime d’Expertises), um recipiente de ultra alta pressão capaz de exercer uma pressão de teste equivalente à existente a 13 750 metros de profundidade.

Ode ao classicismo
As três novas versões do Classics Carrée Automatic, da Frederique Constant, levam a colecção de volta à sua era original, os famosos anos 20, que revelaram uma audácia estilística cuja influência ainda hoje é perceptível. Extremamente refinados, estes relógios em ouro rosa dourado ou em aço inoxidável exibem um estilo minimalista com índices em forma de bastão, ponteiros ‘dauphine’ e data. O mostrador com o seu subtil motivo guilhoché empresta ao Classics Carrée Automatic uma elegância rara.

Alimentados por luz
A mais recente geração de cronógrafos Speedtimer acolhe uma série de três novas criações, cujo design materializa o espírito da série original mas agora com a conveniência, fiabilidade e precisão adicionais da tecnologia solar da Seiko. Os três relógios são alimentados pelo calibre solar V192 da Seiko, que oferece um cronógrafo com capacidade de medição até 60 minutos e um submostrador de 24 horas. Quando totalmente carregado, este movimento de quartzo solar tem uma autonomia até seis meses sem ser exposto a qualquer fonte de luz. Estes três cronógrafos solares trazem as altas especificações de Prospex Speedtimer a todos os que procuram a alta-precisão da cronometragem electrónica e, em simultâneo, a conveniência de um relógio alimentado exclusivamente por luz.

Obra prima para a vida urbana
O Roger Dubuis Excalibur Liu Wei MT nasce de um esforço conjuto que une a extraordinária criatividade e talentos da relojoaria de Genebra com a arte do multitalentoso artista chinês Liu Wei. Baseado no “monotourbillon” Roger Dubuis Excalibur, o relógio tem como mote a arte urbana, utilizando dois painéis de cristal de safira, laca e tinta UV, resultando numa estética totalmente original.
Um modelo bem conseguido que reflete na perfeição o arrojo da marca, a preocupação com o design e o dominio dos materiais. Uma maison suíça que percorre a alta velocidade a autoestrada para o futuro, permitindo-nos desfrutar das sensações fortes da alta relojoaria.

A pensar neste Natal
Para a época festiva, a marca portuguesa Eletta desenvolveu uma especial box de edição limitada, que oferece três looks distintos. Celebrando um estilo festivo mas versátil, sobressai um relógio com caixa de 38mm em aço rosa dourado, com mostrador prateado. A combinar com a caixa, estão os ponteiros e índices, também num tom rosa dourado. O toque final é dado pela bracelete de aço em malha milanesa. Reforçando a estratégia da marca, que assenta no conceito de personalização, esta box oferece duas braceletes extra de 14mm, com uma opção em pele branca, e outra de aço rosa dourado em malha milanesa. A box surge numa embalagem alusiva ao Natal.

Recomendadas

“Um caroço de abacate” eleito melhor filme queer em Clermont-Ferrand

A curta-metragem portuguesa “Um caroço de abacate”, realizada por Ary Zara, venceu hoje o prémio de melhor filme queer do Festival Internacional de Curta-Metragem de Clermont-Ferrand (França), anunciou hoje a organização.

“Re Search TEX REX”: a reutilização têxtil como ponto de partida da exposição de Ana Baleia

A Galeria PLATO, em Évora, apresenta o trabalho desenvolvido pela designer e artista têxtil Ana Baleia no âmbito do ‘upcycling’ têxtil. A arte ao serviço da mitigação dos resíduos têxteis. Um caminho em prol do futuro.

2023 promete ser um ano em cheio para Serralves

Serralves abraçou o mote “Onde o futuro se cruza com a memória”, num ano em que celebra o centenário do seu emblemático Parque e a abertura da nova ala do Museu. Mas há muitas mais razões para espreitar a programação.
Comentários