A implacável máquina fiscal

Assistimos nos últimos anos a grandes alterações na Autoridade Tributária. A par de diversas alterações legislativas, nomeadamente no que respeita à reforma fiscal do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC), do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) e de significativas alterações a nível das obrigações declarativas dos contribuintes, a alteração de […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Assistimos nos últimos anos a grandes alterações na Autoridade Tributária. A par de diversas alterações legislativas, nomeadamente no que respeita à reforma fiscal do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC), do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) e de significativas alterações a nível das obrigações declarativas dos contribuintes, a alteração de maior relevo advém da introdução de novas ferramentas informáticas e tecnológicas de combate à fraude e evasão fiscal.

Acessoriamente, a Autoridade Tributária procedeu recentemente ao agravamento das molduras contraordenacionais a nível de diversos impostos e do prazo de arquivo da documentação fiscal, que neste momento é de 12 anos.

De acordo com um relatório publicado em Setembro de 2015 pela Comissão Europeia, Portugal ocupa o 7.º lugar no ranking dos países com nível de evasão fiscal mais baixa entre os 26 países da União Europeia. À frente de Portugal encontram-se apenas os países nórdicos e da Europa Central, sendo que o nível de evasão em Portugal é praticamente igual ao de França, o país classificado em 6.º lugar, à frente da Alemanha, Dinamarca, Reino Unido, Espanha ou Itália.

Com a automatização dos processos, transferência da carga burocrática para as empresas e famílias e a introdução de diversos mecanismos de cruzamento de informação, a Autoridade Tributária está neste momento munida das ferramentas necessárias para a cobrança coerciva de imposto a nível do IRC e IRS, entre outros.

Sendo positivo o facto de sermos um país pioneiro na utilização das novas tecnologias de informação e de as mesmas permitirem a desmaterialização de diversas obrigações declarativas, é também notório que esta intrincada encruzilhada de novos mecanismos e processos automatizados permite à Autoridade Tributária ter uma posição muito mais clara de cada contribuinte, dos impostos devidos e dos que não foram pagos.

Por outro lado, agilizaram-se significativamente as Inspeções fiscais dado que a Autoridade Tributária tem na sua posse em tempo real (ou quase) a informação necessária para proceder à fiscalização dos contribuintes a nível dos diversos impostos.

Na posse de todos estes meios assistimos à cobrança massiva e coerciva de impostos através de penhoras de ativos físicos, contas bancárias, vencimentos e outros bens, para pagamento de dívidas que, muitas vezes, não são proporcionais aos montantes penhorados.

A cobrança coerciva de impostos em 2013 atingiu um máximo histórico e permitiu ao fisco arrecadar 1.918 milhões de euros, ultrapassando em 73% a meta inicial fixada à Autoridade Tributária e Aduaneira. Já em 2014, a cobrança coerciva de impostos atingiu valores ligeiramente mais baixos, na ordem dos 1.148 milhões de euros, mas superando o valor inicialmente orçamentado em 4,3%. Em 2015, estima-se que as cobranças coercivas venham a aumentar significativamente com a introdução de novas regras, nomeadamente no que respeita à comunicação pelos senhorios dos contratos de arrendamento e a emissão eletrónica dos recibos de rendas.

Ao contribuinte, confrontado com uma penhora em resultado de uma dívida fiscal, poucos são os direitos que lhe assistem, ficando envolvido em intrincados e demorados processos e sendo muitas vezes forçado a recorrer à litigância com a Autoridade Tributária. Muitos destes contribuintes estando conscientes que só no recurso ao tribunal, com custas elevadas e perdas de tempo incomensuráveis, conseguem ver a sua causa ser justamente julgada, acabam por pagar a dívida em questão, que muitas vezes resulta de uma apreciação injusta e infundamentada por parte da Autoridade Tributária, mas que se torna bloqueadora da atividade das empresas ou da vida quotidiana do comum dos cidadãos.

Exige-se que o contribuinte seja cumpridor no pagamento dos seus impostos, sem o mínimo de hipótese de atraso, sob pena de ser esmagado pela máquina fiscal, quando o próprio Estado não se afigura uma pessoa de bem (que deveria ser), atendendo a que não atribui o direito de defesa ao contribuinte de uma forma célere e justa e deixando muitas vezes impunes os verdadeiros crimes fiscais.

Por outro lado, a Autoridade Tributária colocou igualmente os contribuintes, de uma forma indireta, a “fiscalizarem” a atividade económica das empresas.

Ao serem introduzidos diversos benefícios fiscais a nível do IRS, como sejam a dedução à coleta de IRS de despesas gerais familiares e a dedução parcial do IVA suportado em faturas de determinados serviços, os cidadãos passaram a consultar de uma forma regular o Portal das Finanças (e-fatura), introduzindo manualmente as faturas que não foram comunicadas pelos agentes económicos, acionando as “campainhas” do lado da Autoridade Tributária para ações de inspeção “cirúrgicas” a contribuintes menos atentos ou que não dispõem de recursos (internos ou externos) que permitam uma gestão adequada dos seus riscos fiscais.

É de facto assustador observar o comum dos cidadãos, que na maioria das vezes, zela pelo cumprimento dos seus deveres e obrigações perante o Estado, ser esmagado pela “eficácia brutal” da máquina da Autoridade Tributária porque se atrasou no pagamento de determinado imposto, sem que lhe seja dado o direito a defender-se, quando assistimos à impunidade de crimes fiscais de grandes repercussões que na maioria das vezes não são julgados ou que sobre os quais não recai qualquer contraordenação.

Com efeito, Portugal avançou na modernização e na eficácia da cobrança de impostos de uma forma muito agressiva por força da crise financeira, focalizando-se nos contribuintes mais “frágeis”, descurando as consequências devastadoras que estes novos mecanismos têm nas pessoas, nas empresas e na própria economia.

Para que possamos melhorar a nossa condição de vida, aliviando a carga fiscal das famílias, e que assim se induza o consumo e o investimento, e por essa via o crescimento económico e a renovação do tecido empresarial, têm de ser feitos alguns ajustes aos avanços tecnológicos e à modernização da máquina fiscal, bem como a alguns processos funcionais, sob pena da Autoridade Tributária, na sua ânsia de cobrar impostos de forma indiscriminada, constituir uma entidade perniciosa, quando o seu papel deve ser exatamente o oposto.

Por Carla Isaac
Tax Senior Manager na RCA – Auditores

Recomendadas

Desistência ou insistência nacionais?

A distribuição de poder dentro do espaço que delimita um país tem sido central no estudo da organização humana e política do Homem.

Foco na capitalização das empresas ultrapassa o domínio fiscal

Apesar das medidas de incentivo à capitalização das empresas irem no caminho certo, os desafios só poderão ser superados através do uso de instrumentos mais “interventivos”, os quais por sua vez exigem mudanças da mentalidade empresarial em geral.

CSRD: mais siglas, mais regulação, mais sustentabilidade. Vamos passar à ação!

Uma das novidades é a consagração da verificação da informação por terceiros. Com o objetivo de evitar o ‘greenwashing’ e garantir que as organizações divulgam informações verdadeiras.