“A nossa luta é pelo resgate da democracia”. Guaidó agradece apoio do Governo português

“Obrigado ao Governo de Portugal pelo seu apoio a esta solução pacífica para a crise na Venezuela. A nossa luta é pelo resgate da democracia, pela ajuda humanitária imediata e pela reconstrução do país”, escreveu hoje Juan Guaidó, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

O presidente do Parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, que se autoproclamou Presidente interino venezuelano e hoje recebeu o reconhecimento concertado de vários países europeus, agradeceu a Portugal por ter reconhecido a sua legitimidade para convocar eleições naquele país.

“Obrigado ao Governo de Portugal pelo seu apoio a esta solução pacífica para a crise na Venezuela. A nossa luta é pelo resgate da democracia, pela ajuda humanitária imediata e pela reconstrução do país”, escreveu hoje Juan Guaidó, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

O Governo português reconheceu hoje Juan Guaidó como Presidente interino venezuelano, apoiando a sua legitimidade para “convocar eleições livres e justas na Venezuela”.

“Portugal reconhecerá e apoiará a legitimidade do presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como Presidente interino, nos termos constitucionais venezuelanos, com o encargo de convocar e organizar eleições livres, justas e de acordo com os padrões internacionais”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, numa conferência de imprensa em Lisboa.

Portugal juntou-se a outros países da União Europeia (UE), como Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Áustria ou Holanda, que hoje reconheceram o presidente da Assembleia Nacional (parlamento venezuelano), Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela, após expirar um prazo de oito dias para que o Presidente Nicolás Maduro convocasse eleições presidenciais antecipadas naquele país.

Maduro rejeitou no domingo a possibilidade de abandonar o poder ou de convocar novas eleições presidenciais no país, porque não aceita “ultimatos de ninguém”.

A par das palavras dirigidas a Portugal, Juan Guaidó publicou nas últimas horas na rede social Twitter várias mensagens a agradecer aos vários países europeus que hoje formalizaram, de forma concertada, a sua posição.

A primeira mensagem a ser publicada foi dirigida a Espanha e ao chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez.

“Agradecemos a Pedro Sánchez e a todo o governo espanhol pelo reconhecimento e apoio ao nosso caminho de luta pela democracia. Obrigado pelo seu apoio e compromisso. A Venezuela está grata por esse gesto”, escreveu Guaidó.

Seguiu-se uma mensagem endereçada ao Reino Unido, com Juan Guaidó a expressar o seu agradecimento ao executivo britânico por ter reconhecido “a luta do povo da Venezuela”.

“Valorizamos profundamente o seu apoio e estamos confiantes de que juntos poderemos sair desta crise política, social, económica e humanitária”, acrescentou.

Juan Guaidó escreveu também palavras dirigidas ao Presidente francês, Emmanuel Macron, e ao governo de França.

“Juntos, vamos conseguir: fim da usurpação, governo de transição e eleições livres para o resgate da nossa nação”, referiu o presidente da Assembleia Nacional.

Áustria, Dinamarca e Polónia também receberam palavras de agradecimento por parte de Guaidó.

“Agradecemos ao governo da Áustria pelo reconhecimento da legitimidade das ações que iniciamos juntamente com todo o povo da Venezuela para a conquista das nossas liberdades e direitos”, afirmou o engenheiro mecânico de 35 anos que a 23 de janeiro se autoproclamou Presidente interino venezuelano.

Na mensagem endereçada a Copenhaga e a Varsóvia, Guaidó referiu o objetivo da realização de “eleições livres, justas e transparentes na Venezuela” e o compromisso de “resgatar a democracia, a liberdade e a justiça” da nação venezuelana.

Juan Guaidó remeteu também mensagens à Alemanha, Lituânia, Holanda, Letónia, República Checa, Bélgica, Finlândia e Luxemburgo, reiterando as metas e os compromissos a que se propõe: “(…) resgatar a democracia e o Estado de direito na Venezuela”, “(…) um caminho que permita uma solução democrática e pacífica para a crise (…)”, “(…) alcançar a liberdade (…) e reivindicar os direitos de todos os venezuelanos” e “um processo de paz, inclusão, consenso e respeito pela Constituição”.

Na quinta-feira, a Alta Representante da UE para a Política Externa, Federica Mogherini, anunciou a constituição de um grupo de contacto internacional para alcançar, em 90 dias, uma saída pacífica e democrática para a crise na Venezuela com a realização de eleições presidenciais.

A primeira reunião deste grupo realiza-se em 07 de fevereiro em Montevideu (Uruguai).

A atual crise política que afeta a Venezuela soma-se a uma grave crise económica e social que já levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem daquele país desde 2015, segundo dados da ONU.

Na Venezuela, antiga colónia espanhola, residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

Recomendadas

Huawei foi excluída do 5G do Reino Unido devido a pressão americana, diz antigo ministro britânico

“Não teve nada a ver com segurança nacional”, afirma Vince Cable, citado pela Euractiv, contrariando os argumentos invocados por Boris Johnson quando em 220 baniu a empresa chinesa da construção da rede de 5G no país.

EUA, Japão e Chile emitem alertas de tsunami depois de erupção de vulcão no Pacífico

Um tsunami atingiu hoje, dia 15 de janeiro, a costa da ilha do Pacífico Sul de Tonga, após uma violenta erupção vulcânica.
esclerose múltipla

Vírus da mononucleose apontado como causa principal da esclerose múltipla

Estudo da Universidade de Harvard demonstra que contrair o vírus Epstein-Barr aumenta drasticamente as hipóteses de uma pessoa desenvolver a doença rara.
Comentários