A nova desordem internacional

A globalização, como a conhecemos, será a próxima vítima da guerra da Ucrânia. Estamos a entrar num mundo em que as considerações políticas se sobrepõem à lógica económica da eficiência e do menor custo, num mundo em que as cadeias de produção vão ser repensadas.

Quem pensa que as consequências económicas da guerra na Ucrânia se limitam ao curto prazo e às sanções à Rússia durarem alguns anos mais, com forte probabilidade está muito enganado. Vão seguir-se as tentativas de alguns países, particularmente os autocráticos, reconstruirem a ordem internacional numa base diferente, para si mais favorável, ao mesmo tempo que expôs a vulnerabilidade do modelo de organização da produção e das trocas internacionais.

E vai levar de novo a um mundo bipolar, pondo termo ao movimento na direção do multilateralismo que se vinha desenhando – e se acentuou com Trump –, só que com um segundo polo diferente, pois será a China a ocupar esta posição, pela dinâmica de décadas e pelo enfraquecimento da Rússia que resultará da guerra, outro erro de cálculo de Putin.

No fundo, para ele a Ucrânia constituía uma espécie de prova de vida, mostrar que a Rússia ainda era a segunda potência mundial, mas o tiro saiu-lhe pela culatra; mesmo “conquistando” a Ucrânia, não deixarão de ficar grandes dúvidas até sobre a sua capacidade militar. O afundar pelos ucranianos do “Moscovo”, o navio almirante da frota do Mar Negro, foi particularmente humilhante, pelo feito em si e pelo simbolismo do nome.

Um mundo em redesenho

No seguimento da Segunda Guerra Mundial e com a criação das instituições de Bretton Woods a economia internacional entrou numa nova fase, com uma clara liderança dos EUA. O dólar tornou-se de facto a moeda de reserva a ponto de nos anos 60 Giscard d’Estaing, na altura Ministro das Finanças, se lhe referir como o “exorbitante privilégio”, pois os EUA podiam financiar qualquer défice nas suas transações com o resto do mundo simplesmente emitindo dólares – citando Eichengreen, custa cêntimos ao Tesouro americano fazer uma nota de 100 dólares, mas os outros países têm que entregar 100 dólares em bens para a obter.

Isto para além do rendimento de seigniorage – a inflação nos EUA diminui o valor (poder aquisitivo) dos dólares detidos por residentes e não residentes, ou seja, a inflação funciona como um imposto, pago por nacionais e estrangeiros. Outros custos têm que ver com os objetivos cambiais e de inflação do país, que podem tornar necessário esterilizar os movimentos de reservas resultantes das transações com o exterior, e com a vulnerabilidade acrescida a choques externos.

As instituições de Bretton Woods foram desenhadas para auxiliar na resolução de problemas temporários de balança de pagamentos e ajustamento macroeconómico e para financiar o desenvolvimento económico a custo reduzido. No entanto, as crises pelas quais a economia mundial passou (América Latina nos anos 80, Ásia nos anos 90, crise financeira dos anos 2000) mostraram os custos de a elas recorrer – particularmente ao FMI, com a adoção de políticas de austeridade.

Assim, a procura de reservas (dólar) aumentou ao longo do tempo, até pelo mero motivo precaução, e a liquidez necessária foi fornecida pelos défices das trocas americanas com o exterior, juntando o útil ao agradável para os EUA. O processo de globalização e as deslocalizações produtivas acentuaram a interdependência económica e constituíram o pano de fundo desta evolução.

Mas esta situação tem vindo a mudar. Os EUA representavam 40% do produto mundial em 1960, mas estão reduzidos a pouco mais de metade em 2019; no mesmo período a China, por exemplo, passou de 4% para mais de 16%. O peso das exportações americanas caiu também, de mais de 11% em 1980 para 8,5% em 2019; nos anos 60 a China representava menos de 1% das exportações mundiais, para se situar acima dos 13% em 2019. E o peso dos 7 principais países emergentes (BRICS, Indonésia e México) na economia mundial é superior ao do G7.

Olhando para o futuro, o panorama não é melhor: conta Yasmin Tadjdeh, na “National Defense” de março, que a China representa 29% do aumento da despesa em R&D entre 2000 e 2019, contra 23% dos EUA, e que a parte dos EUA em patentes internacionais registadas no USPTO caiu de 15% para 10% entre 2010 e 2020, enquanto a da China aumentou de 16% para 49% (“Science and Engineering Indicators, report to the President and Congress”, National Science Board, março de 2022). O desafio à liderança está lançado.

O processo de mudança acelerou-se com a America First de Trump, que de facto contribuiu para o isolamento dos EUA na cena internacional (vejam-se os episódios da Parceria Transpacífica, do financiamento da NATO, dos acordos sobre o clima, da OMS, do acordo nuclear com o Irão) e pôs em causa 70 anos de diplomacia americana e a estabilidade da ordem internacional, para não falar da segurança dos próprios EUA, criando o que George Will batizou, relembrando as palavras de Gerald Ford em 1974, “national nightmare 2.0”.

Já chegámos à Ucrânia

Uma Rússia enfraquecida, em progressiva queda, uma contestação interna visível, sem ser capaz de criar uma base económica sólida, vivendo da exportação de matérias-primas nem sequer transformadas, e ele próprio contagiado pelo Síndroma de Hubris, Putin resolve deixar a sua marca na História – sem se preocupar se seria pelas boas ou más razões.

Anexa a Crimeia, à moda do Anschluss, e, oito anos depois, invade a Ucrânia, certo que, como a Polónia de 39, o país cairia em poucos dias e não haveria reação significativa, como não houve na Crimeia. Estava duplamente errado. Mas teve de facto um mérito: uniu o mundo ocidental como não se via desde as épocas áureas da Comunidade Económica Europeia e da parceria atlântica – com, claro, a única dissensão de Viktor Orbán e o we shouldn’t get involved.

A situação é conhecida. A Rússia foi criticada nas Nações Unidas (apenas cinco países votaram contra) e foi alvo por parte dos países ocidentais das sanções económicas mais duras dos tempos recentes. Entre estas contam-se as proibições de exportações de bens duais (podem ter utilização militar), dos voos de e para a Rússia, de bens de luxo (incluindo veículos e arte), de importações de petróleo e gás russos (imediata pelos EUA, até final do ano pelo Reino Unido, até antes de 2030 pela UE) e de investimento na Rússia, a suspensão da certificação do pipeline de gás Nord Stream 2 (isto é, a sua inutilidade prática), o congelamento dos ativos do banco central russo (um volume potencial de reserva de 630 mil milhões de dólares) e dos ativos dos bancos comerciais russos, além da exclusão dos bancos russos do sistema Swift. Foram também impostas sanções sobre indivíduos, designadamente congelamentos de contas.

Isto de facto isolou a economia russa, cujas exportações significativas estão praticamente reduzidas à energia, e pôs os bancos russos fora do sistema financeiro internacional. A bolsa de Moscovo fechou, tendo reaberto apenas um mês depois, a 24 de março, como um “mercado Potemkin” – apenas 33 títulos e durante quatro horas e dez minutos, com o banco central a anunciar que proibiria o short selling e o Governo a instruir o seu fundo soberano a adquirir dez mil milhões de dólares de títulos. As sanções têm um objetivo primário claro, demover a Rússia de ocupar a Ucrânia, e um objetivo secundário não confesso de afastar Putin do poder (o “for God’s sake, this man cannot remain in power”, a gaffe de Biden em Varsóvia). Porém, as suas consequências de longo prazo estão ainda por ver.

‘Looking ahead’

A invasão da Ucrânia tornou evidente para os países da União e para os EUA que é perigoso depender de terceiros – rivais – para o abastecimento em bens essenciais e o escoamento de produtos. E mostrou o quanto são estratégicas as cadeias de fornecimentos dos seus sistemas produtivos.

Mas as sanções tornaram evidente para a China que os seus objetivos de longo prazo passam pelo decoupling da sua economia do sistema construído pelos países ocidentais. E nesse sentido é seu interesse que o conflito na Ucrânia dure, o que lhe deixa as mãos livres para melhor alastrar a sua influência na Ásia e na África – o “quando dois lutam, o terceiro ganha” de Churchill. Daí a sua posição dúbia sobre a guerra: criticando a guerra, abstendo-se nas votações nas Nações Unidas, e recebendo Lavrov de braços abertos em Beijing.

A dívida chinesa é de mais de 250% do PIB, inferior à do Japão, mas superior à dos EUA; desta, mais de 200% é dívida privada, o que a torna mais difícil de gerir, e isto num contexto de envelhecimento e redução da população. Não é, portanto, do interesse da China desestabilizar o sistema financeiro internacional, o que só ajuda a perceber a prudência da sua atual posição. Aliás, no dia em que correu o rumor que a Rússia tinha pedido assistência económica e militar à China a bolsa chinesa teve a maior queda desde 2008.

Mas a exclusão da Rússia do sistema financeiro internacional e as dificuldades económicas a que foi sujeita mostram os riscos a que a China está sujeita e a necessidade de criar um polo alternativo na economia mundial – situação que ficou igualmente clara para potenciais parceiros com peso, como a Índia ou o Brasil. Esta preocupação não data de hoje. A Declaração Conjunta para um Mundo Multipolar e uma Nova Ordem Internacional de 1997, entre a China e Rússia, já tinha precisamente este objetivo, e a relação entre Rússia e China tem tido como linha marcante a oposição à hegemonia americana, como o ilustra a Parceria sem Limites.

As recentes conversas entre chineses e sauditas para que o petróleo seja comprado (e denominado) pela China em yuans são outro passo, se bem que a aspiração a que o yuan seja moeda de reserva obriga a que primeiro esta moeda seja perfeitamente convertível – amanhã não será a véspera desse dia, mas o caminho faz-se caminhando. E não é o rublo que pode aspirar a tal, vai uma diferença de um para dez entre as duas economias. Um sinal avançado será o dia em que a China começar a reduzir substancialmente as suas reservas em dólares.

A globalização, como a conhecemos, será a próxima vítima da guerra da Ucrânia, e vai ser revertido boa parte do que foi conquistado nas últimas décadas – as trocas internacionais em percentagem do PIB mundial passaram de 25% em 1970 para 61% em 2008; o investimento direto estrangeiro aumentou seis vezes nos anos 90; as exportações de bens da China para os EUA aumentaram 125 vezes entre 1985 e 2015.

Estamos a entrar num mundo em que as considerações políticas se sobrepõem à lógica económica da eficiência e do menor custo, num mundo em que as cadeias de produção vão ser repensadas, com relocalizações produtivas em que o just-in-time vai ser substituído pelo just-in-case, para reduzir riscos e melhor controlar a produção – Biden prometeu que tudo, do deck de um porta-aviões ao aço dos rails das autoestradas, vai ser feito nos EUA –, em que as batalhas pelo controlo dos recursos se vão intensificar e a C&T sai valorizada (v.g., a ciência dos materiais).

A perceção do que é estratégico vai criar limitações à cooperação internacional em diversas áreas. A longo prazo, mas não antes do meio do século, tudo se conjuga para que emerja uma nova ordem internacional, regionalmente estruturada, com dois grandes blocos concorrentes, económicos e políticos; a questão é saber se cooperantes ou hostis.

Recomendadas

Portugal dança sobre um vulcão de riscos adormecidos

Boa parte do tempo em que as taxas de juro estiveram extraordinariamente baixas foi perdido em temas colaterais de agenda política, em vez de colocar-se o foco no crescimento económico. Esta espécie de dança é perigosa, porque é feita sobre riscos estruturais.

Modos de superficializar

A noção de superfície não é inequívoca. A superfície pode separar uma realidade na sua unidade do resto em volta, ou, pelo contrário, ligar realidades, justapostas, conviventes. E é por aqui que há que fazer caminho.

O contorno da Europa

Percebemos que o sentimento de alienação relativamente ao poder político e à construção comunitária e societal não é algo que apenas assola os países jovens. Acabou, também, por se tornar um problema de toda a Europa que viu no nacionalismo uma forma de resposta ao seu envelhecimento.
Comentários