A nova estratégia farmacêutica europeia

A Comissão Europeia acabou de adotar uma nova “Estratégia Farmacêutica para a Europa” cujo propósito central é assegurar que os doentes tenham um melhor acesso a medicamentos inovadores e acessíveis e procurar estimular a competitividade, a capacidade de inovação e a sustentabilidade da indústria farmacêutica da UE.

“Sound strategy starts with having the right goal.” Michael Porter

A Comissão Europeia acabou de adotar uma nova “Estratégia Farmacêutica para a Europa” cujo propósito central é assegurar que os doentes tenham um melhor acesso a medicamentos inovadores e acessíveis e procurar estimular a competitividade, a capacidade de inovação e a sustentabilidade da indústria farmacêutica da UE. Uma preocupação adicional desta nova estratégia é assegurar que a Europa cubra as suas necessidades farmacêuticas através de cadeias de abastecimento mais robustas, mais centradas na geografia europeia.

Em termos mais concretos, a nova Estratégia Farmacêutica para a Europa assume quatro objetivos específicos:

• Garantir o acesso a medicamentos a preços acessíveis para os pacientes e estimular resposta a necessidades médicas não atendidas (por exemplo, nas áreas da resistência antimicrobiana, na oncologia, nas doenças raras);
• Apoiar a competitividade, inovação e sustentabilidade da indústria farmacêutica da UE e o desenvolvimento de medicamentos de alta qualidade, seguros, eficazes e ecológicos;
• Melhorar os mecanismos de preparação e resposta a crises e abordar a segurança do abastecimento de medicamentos;
• Garantir uma voz forte da UE no mundo, promovendo um elevado nível de padrões de qualidade, eficácia e segurança.

Não obstante a ambição que lhe está subjacente, num quadro recente em que a Europa tem vindo a perder terreno de forma sistemática para os EUA, seria de esperar um maior enfoque desta nova estratégia no reforço da competitividade e na (re)conquista da liderança internacional que pautou a indústria farmacêutica europeia durante décadas. A fragmentação ainda existente no mercado europeu, a insuficiente agressividade dos sistemas de apoio à inovação e a preocupação obsessiva com a sustentabilidade dos sistemas de saúde tem vindo a reduzir a atratividade da União Europeia para novos investimentos na indústria farmacêutica. Numa fase de grande inovação e mudança nas tecnologias farmacológicas, esta realidade poderá colocar definitivamente de lado a possibilidade de a Europa recuperar o seu posicionamento histórico e continuar a ser um player de relevo naquela que é talvez a indústria mais estratégica no mundo.

Apesar disso, as prioridades de aposta em termos de inovação subjacentes à nova estratégia europeia para a indústria farmacêutica são claras, o que constitui um aspeto importante. É, pois, importante perceber de que forma Portugal pode aproveitar de forma efetiva as oportunidades que resultam das apostas próximas que a Europa fará nesta indústria de elevado valor acrescentado e de relevância fundamental para as sociedades. Na EY-Parthenon estamos a trabalhar este tema de forma muito próxima com as principais entidades que a representam no nosso país.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

A adoção de cloud nas organizações

A adoção de cloud é vital para a transformação digital, adotando tecnologias disruptivas e otimizando as organizações.

O arquivo eletrónico e a desmaterialização de faturas e documentos

Os requisitos técnicos e legais referentes à desmaterialização de faturas e demais documentos fiscalmente relevantes, e de constituição do arquivo eletrónico, foram definidos com a publicação do Decreto-Lei n.º 28/2019, de 15 de fevereiro.

Reinventar o SNS

Colocam-se ao SNS desafios associados ao envelhecimento populacional, à maior prevalência de doenças crónicas, ao maior consumo de cuidados de saúde e à maior exigência dos utentes.
Comentários