A palavra do ano

“Entroikado” foi a palavra de 2012. Não é um campo semântico a que queiramos voltar. Portanto, que “turismofobia” não esteja nas candidatas a Palavra do Ano de 2018.

“Gentrificação” é candidata a Palavra do Ano, já que – assim se lê no site do concurso – «o aumento do turismo tem posto em evidência novos desafios e novas realidades, como a gentrificação, que se faz sentir nas principais cidades do país.» Vale a pena perguntar à Porto Editora quais são, no seu entender, as principais cidades do país. É provável que a resposta vá gerar novo episódio de indignação, pois parece-me óbvio que se está a pensar somente em Lisboa e Porto. O resto é paisagem. Claro que ser uma editora a ignorar 16 capitais de distrito é menos grave que ser um partido a fazê-lo, mas vejo aqui potencial para uma revolta “facebookiana”.

Vale a pena pedir-lhe também a referida evidência, empírica de preferência. Sem ela, estabelecer uma relação causal entre fluxos turísticos e caracterização sociodemográfica ou evolução do mercado imobiliário é mera manifestação de “achismo”. É a metodologia do Bruno Aleixo, só que sem piada. No primeiro artigo que aqui publiquei, intitulado precisamente “Gent(r)ificação”, escrevi sobre esse exercício comum em Portugal que é o de proferir afirmações de natureza factual sem providenciar quaisquer dados que as sustentem e chamar-lhes “evidências”. Certo é que, muitas vezes, os dados não existem ou não estão disponíveis.

O Dia Mundial das Cidades trouxe uma boa novidade: estatísticas de preços da habitação ao nível local, resultado de um protocolo entre o Instituto Nacional de Estatística e a Autoridade Tributária. Os dados são unicamente para as vendas, somente a partir de 2016 e ao nível da freguesia abrangem apenas Lisboa e Porto, mas é um começo. Também para um debate informado, espero.

Na lista de potenciais palavras do ano, está também vencedor. O primeiro lugar de Salvador Sobral na Eurovisão é o motivo. Mas bem podia ter sido o facto de Portugal haver vencido, em Outubro, o Festival de Cannes do turismo. Depois da Europa, o mundo! E, assim, na gala dos World Travel Awards, às Palmas de Ouro juntaram-se os Óscares de melhor destino turístico, de melhor destino insular e de melhor organismo oficial de turismo, respectivamente, para Portugal, para a Madeira e para o Turismo de Portugal. Já Lisboa foi considerada o melhor city break do mundo sem que tivesse ganhado a versão europeia (razão tinha o João Pinto sobre Vítor Baía).

Crescimento é outra das dez palavras em votação. Escolhida porque caracterizou o comportamento da economia portuguesa em 2017. E para ele muito contribuiu o sector do turismo, que tem crescido a um ritmo superior ao da economia como um todo. Isso mesmo nos diz a Conta Satélite do Turismo, reactivada com um protocolo entre Instituto Nacional de Estatística e Turismo de Portugal, em Março de 2015, depois de ter sido suspensa em 2010.

Mais uma boa notícia neste final de ano. Trata-se de uma ferramenta fundamental para que possamos conhecer o contributo do sector para a economia nacional e perceber que há muita actividade turística para além do alojamento, da restauração e dos tuk-tuk. Ela está na produção cultural, nos transportes urbanos, em alguns serviços públicos ou na agricultura. Só para referir alguns exemplos.

“Entroikado” foi a palavra de 2012. Não é um campo semântico a que queiramos voltar. Portanto, que “turismofobia” não esteja nas candidatas a Palavra do Ano de 2018.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

 

Disclaimer: As opiniões expressas neste artigo são pessoais e vinculam apenas e somente a sua autora.

Recomendadas

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.

Precisamos de notícias positivas

Os gestores têm de pensar se querem mais dívida dentro das empresas quando se espera uma redução da atividade económica no próximo ano
Comentários