A pior companhia aérea de 2017 já está escolhida

Alimentação, conforto e serviços oferecidos pelo valor pago foram alguns dos critérios avaliados na sondagem sobre satisfação dos passageiros da Which?.

A pior companhia aérea é a Ryanair, segundo um inquérito de satisfação dos passageiros. A popular companhia lowcost foi escolhida pela maioria das 11,625 pessoas consultados pela revista britânica de consumo Which?, com base em critérios como alimentação, conforto e serviços oferecidos pelo valor pago.

“O turbulento ano, com cancelamento de voos, fez com que a Ryanair caísse mais um nível para a opinião pública, com os passageiros a classificarem-na como pior companhia aérea de curta distância no Reino Unido”, pode ler-se na Which?.

Quase um em cada três passageiros que nunca voariam com uma companhia de baixo custo, mesmo que fosse mais barato que a concorrência. No entanto, a revista nota que “há provas de que voar com uma companhia aérea low cost não significa ter uma má experiência” e dá como exemplos positivos as companhias Norwegian e Jet2, que conseguiram pontuações elevadas de 76% dos clientes.

Contacto pelo jornal britânico Independent, o diretor de marketing da Ryanair, Kenny Jacobs, desvalorizou a sondagem, considerando-a “não representativa e sem valor”. “Esta sondagem da Which? não reflete as escolhas reais dos passageiros. Os clientes reais não se cansam dos baixos custos da Ryanair”.

Recomendadas

Sindicato diz que contraproposta de aumentos salariais da Altice fica aquém do pretendido

A proposta da Altice consiste num aumento de 2% para valores base abaixo de 1.300 euros, garantindo um vencimento mínimo de 800 euros e de 1% para valores base entre os 1.300 euros e os 2.300 euros.

Anchorage Digital renova escritório do Porto porque “equipa em Portugal tem crescido muito”

A tecnológica liderada por Diogo Mónica, que está a comemorar cinco anos no negócio dos criptoativos, vai reabrir as portas do espaço que tem na cidade Invicta na próxima semana.

H&M diz ser cedo para saber se despedimentos afetam Portugal

“É muito cedo para dizer como e se afetará as funções centrais em Portugal”, disse fonte do grupo sueco, em resposta escrita à Lusa.
Comentários