A saúde de todos nós

É fundamental apostar na economia local, diversificando as oportunidades de emprego, na liberdade das pessoas escolherem a educação e a saúde que querem e na devolução de rendimentos através de taxas de imposto mais reduzidas.

Foi em maio deste ano que a OMS sinalizou o potencial aumento de distúrbios e suicídios fruto do impacto causado pela pandemia de Covid-19. A saúde mental pode ser analisada em duas vertentes principais: em perturbações mentais comuns, como a depressão, e as doenças mentais graves. Segundo a DGS, a primeira tem uma prevalência anual de 22,9%, a segunda cerca de 4%.

É ainda mais relevante quando se entende que as perturbações mentais comuns são as principais causas de baixas e reformas antecipadas, impactando diretamente a produtividade e aumentando os custos sociais inerentes.

Já no “Relatório 2017 do Programa Nacional para a Saúde Mental” constata-se que “apesar da mortalidade ser baixa, uma maior atenção tem sido dada à área da Saúde Mental quando considerado o número de dias vividos com incapacidade (DALY), ou seja, as pessoas que estão a viver mais anos, mas com incapacidade, o que impõe uma sobrecarga para a sociedade.”.

Pelo que acima se constata, é urgente uma resposta às reais causas de uma condição que atravessa uma grande percentagem da população com consequências alargadas para a nossa sociedade.

A saúde mental é, principalmente, fruto de fatores biológicos, psicológicos e sociais, sendo estes últimos a principal causa de ser uma condição que atravessa uma população, independentemente do nível de desenvolvimento.

Assim sendo, na perspetiva social, esta doença é influenciada por:

  1. Emprego: fatores como a estabilidade laboral e satisfação;
  2. Educação: é a condição que mais prevalece nos meios com um nível educacional mais baixo;
  3. Pobreza: a falta de meios é um dos fatores de risco.

Todos estes fatores são amplamente conhecidos há anos. No entanto, só agora, quando deparados com uma crise de enormes proporções, é que somos confrontados com as consequências de políticas ineficazes ou inexistentes neste campo. Muito recentemente começaram a surgir notícias de rutura de medicamentos ligados à saúde mental, entre eles um dos fármacos mais tomado pelos Portugueses – Victan.

Além disso, foi veiculado pela comunicação social o decréscimo generalizado das idas às urgências psiquiátricas durante o estado de emergência e que a população em situação de desemprego está entre a mais vulnerável.

Atendendo ao decréscimo brutal da atividade económica e o calculável degradar do nível de desemprego pelo fim anunciado das medidas de lay-off, caminhamos previsivelmente para uma catástrofe de proporções nunca sentidas em termos de saúde mental.

Para complicar mais a situação, continuamos a apostar no Sistema Nacional de Saúde (SNS) através de medidas que, embora mitiguem efeitos de curto prazo, como por exemplo a articulação com os cuidados primários, não resolvem a causa real do problema e colocam ainda mais pressão sobre um SNS já esticado para além da sua capacidade.

No que respeita à realidade local, como por exemplo o concelho de Cascais tem um índice de desigualdade superior à média nacional (coeficiente de Gini do rendimento bruto declarado deduzido do IRS liquidado de Cascais 34,1% versus média nacional 30,7%), um sistema de transportes que contribui para longos trajetos que prejudicam a população mais desprotegida, que normalmente está concentradas nas freguesias limítrofes de Cascais e Estoril, um custo de habitação dos mais elevados do país, um tecido económico que pouco ou nada mudou nos últimos quatro anos, onde predomina o comércio.

Tudo isto diretamente contribui para o degradar da saúde mental de todos nós e em especial dos mais desfavorecidos do concelho.

O apostar na economia local, diversificando as oportunidades de emprego, na liberdade das pessoas escolherem a educação e a saúde que querem e na devolução de rendimentos através de taxas de imposto mais reduzidas, mais do que medidas económicas, são medidas de prevenção em prol de uma melhor saúde de nós todos.

Existem outras e melhores soluções. Soluções Liberais.

Recomendadas

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.

Precisamos de notícias positivas

Os gestores têm de pensar se querem mais dívida dentro das empresas quando se espera uma redução da atividade económica no próximo ano
Comentários