A Sérvia

Facto confirmado: um drone entra no estádio nacional da Sérvia, durante um jogo entre os locais e a Albânia, com uma bandeira conotada com os forasteiros. Antes de tocar no solo, um jogador sérvio puxa a bandeira, o que desencadeia uma luta entre os componentes das duas equipas. Os adeptos albaneses tinham sido proibidos de […]

Facto confirmado: um drone entra no estádio nacional da Sérvia, durante um jogo entre os locais e a Albânia, com uma bandeira conotada com os forasteiros. Antes de tocar no solo, um jogador sérvio puxa a bandeira, o que desencadeia uma luta entre os componentes das duas equipas. Os adeptos albaneses tinham sido proibidos de assistir ao encontro, devido a “questões históricas” entre as duas nações. O mesmo ocorrerá quando a seleção sérvia visitar a Albânia. A bandeira identifica a “Grande Albânia”, entidade mítica que integraria o Kosovo e outras “vilayets” otomanas. No centro do estandarte, a foto de Isa Boletini, o nacionalista albanês que personificou essa teoria nos finais do séc. XIX.
Opinião fundamentada:
A Albânia foi um dos principais instigadores internacionais à independência do Kosovo, que era território histórico da Sérvia – assim como, se de repente, Portugal ficasse sem o Minho e o Douro. A Sérvia encarnou, durante a sangrenta e criminosa desagregação da Jugoslávia, o papel de nação avisada, que entendia porque é que aqueles povos ganhavam muito em ficar unidos e ganhavam nada em entrar numa contenda.
Contudo, os interesses europeus – primeiro – e turcos e norte-americanos – depois – viabilizaram uma guerra de que a atual geração não tinha memória na Europa. Alemanha e França arranjaram deste modo aliados à pressa – Eslovénia e Croácia, e os turcos alargaram a sua zona de influência – Bósnia-Herzegovina. E ainda aplaudiram a independência da Macedónia, que assim enfraquecia os seus inimigos gregos. Quantos aos americanos, “inventaram” o Kosovo, Estado-pária cujas únicas capacidades de desenvolvimento conhecidas são o terrorismo, o tráfico de droga e de mulheres.
A Albânia é um dos poucos países geograficamente situados na Europa que historicamente tem uma maioria de muçulmanos. Era aliás o único, até meados dos anos 1990. Portaram-se sempre mais ou menos, e as escaramuças no tempo de Tito e de Enver Oxha contam-se pelos dedos de uma só mão. O “imperador” de Belgrado, nascido na Croácia de mãe eslovena, tudo fez para esquecer os tenebrosos tempos dos janízeros, durante os quais centenas de milhares de sérvios foram chacinados pelos muçulmanos.
Contudo, a “libertação” dos povos protagonizada à vez ou a meias por Thatcher, Reagan, Gorbachev, Walesa, Miterrand e Khol, partiu isto tudo!… Os vendedores de armas chamaram-
-lhe um figo, as grandes empresas aplaudiram. Os russos tinham menos uma potência no seu “quintal”.  A Sérvia levou com tudo, até com ataques da NATO.
Na atualidade, os sérvios baixaram a cervical com a esperança de serem aceites na Europa – integração a que têm todo o direito! Mas parecem ser outros os caminhos ínvios dos cínicos de Ankara e dos patetas da Casa Branca. Ajoelhar perante os poderes instituídos paga sempre mal, no curto ou no longo prazo. Mais vale andar de costas direitas!
O “ataque droniano” foi celebrado nas ruas de Tirana e noutras comunidades albanesas. Que, no meio disto tudo, ainda haja sangue sérvio que ferve num estádio onde tocou o hino e se enverga a camisola, à sombra de uma bandeira, só se pode aplaudir. Quero lá saber do politicamente correto!.. Invadiram, levam!

 

Márcio Alves Candoso
Jornalista

Recomendadas

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.

Precisamos de notícias positivas

Os gestores têm de pensar se querem mais dívida dentro das empresas quando se espera uma redução da atividade económica no próximo ano