“A situação é difícil”. Von der Leyen diz aos líderes europeus que pós-Brexit sem acordo é o cenário mais provável

“A probabilidade de não haver acordo é maior do que a de um acordo”, afirmou a presidente da Comissão Europeia na reunião de quinta-feira do Conselho Europeu. “Vamos ver se até domingo é possível um acordo”, acrescentou.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, indicou esta sexta-feira, na última reunião de 2020 do Conselho Europeu, que o cenário mais provável para o pós-Brexit é a inexistência de um acordo entre a União Europeia e o Reino Unido. “A situação é difícil. Os principais obstáculos permanecem”, terá dito a chefe do executivo comunitários aos líderes europeus.

Os chefes de governo dos 27 países que compõe a União Europeia (UE) estiveram reunidos na quinta-feira, o último encontro antes de se iniciar a presidência portuguesa da UE para o primeiro semestre de 2021. Na reunião, além de se debater o plano de recuperação da União Europeia para superar a crise da Covid-19, os líderes europeus abordaram as relações futuras do bloco comunitário com o Reino Unido no pó-Brexit. Segundo a Reuters, Ursula von der Leyen preparou os Estados-membros para o cenário mais provável, o no deal.

A presidente da Comissão Europeia explicou a situação em menos de dez minutos. “A probabilidade de não haver acordo é maior do que a de um acordo”, disse. “Vamos ver se até domingo é possível um acordo”, citou a agência britânica.

As afirmações de Ursula von der Leyen ocorrem após uma reunião com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, Na quarta-feira à noite, Boris Johnson presidente da Comissão Europeia estiveram reunidos para debater a futura relação entre os dois blocos. Ao fim de 11 meses de negociações e a menos de três semanas do fim do período de transição ( 31 de dezembro) para o pós-Brexit, Bruxelas e Londres não chegaram a acordo.

Contudo, a reunião entre os dois líderes políticos não resultou num entendimento, após um jantar de três horas. “Concordámos que as nossas equipas de negociação deveriam reencontrar-se imediatamente de maneira a resolver as questões essenciais. Chegaremos a uma decisão até ao final do fim de semana”, referiu von der Leyen num comunicado após a reunião com Johnson.

Do lado britânico, o sentimento é que continua a existir um “um fosso muito grande” entre os dois blocos. A igualdade no acesso aos mercados, questões de governação e acordos para as pescas são so grandes temas que continuam a afastar Londres de Bruxelas. O Reino Unido dá até domingo para Bruxelas ceder em questões de concorrência e pescas. Caso contrário, resta não há acordo.

Não obstante, a UE e o Reino Unido dizem estar num derradeiro contra-relógio para chegar a acordo sobre as relações futuras. Mas sem um acordo até ao fim do ano, a partir de 1 de janeiro, os britânicos vão deixar de beneficiar do chamado período de transição, perdendo o acesso ao mercado único.

Na ausência de um acordo, as relações económicas e comerciais entre os dois blocos serão regidas pelas regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e com a aplicação de vários controlos alfandegários e regulatórios.

Relacionadas

Brexit sem acordo é uma possibilidade cada vez maior, diz Boris Johnson

“Acho que precisamos de ser muito claros porque agora há uma forte possibilidade, uma grande possibilidade, de termos uma solução muito parecida com a relação australiana com a UE do que uma relação canadiense com a UE”, apontou Johnson, acrescentando que optar pela relação australiana não significa uma má escolha.

Impasse com Reino Unido perdura e Bruxelas antecipa cenário de ‘no-deal’ para o pós-Brexit

Como não há acordo à vista entre Londres e Bruxelas, o executivo comunitário propôs esta quinta-feira medidas de contingência que assegurem ligações aéreas, a segurança aérea, as ligações rodoviárias e a manutenção do acesso às águas britânicas para os navios pesqueiros da UE e vice-versa. 
Recomendadas

Talento, burocracia e critérios ESG no leque dos desafios para 2023

Ultrapassada a pandemia, o horizonte alarga-se, mas desafios há sempre. O ano novo está à porta e há, pelo menos, um que vai dar água pela barba: como captar e reter as melhores pessoas nas empresas. Por Almerinda Romeira

Desobediência civil. China enfrenta protestos por medidas anti-Covid

Conta a agência Reuters que os protestos na China estão a intensificar-se e que nunca se viu nada assim desde que Xi Jinping assumiu o poder (há uma década), numa altura em que Pequim enfrenta o pior surto desde o início da pandemia com o encerramento de escolas e muitos trabalhadores em teletrabalho.

Digitalização será principal desafio do sector num contexto de recessão global

Depois da pandemia, a recessão traz novos desafios à atividade dos contabilistas, levando-os a assumir tarefas de consultoria numa altura em que a sustentabilidade vai transformando o próprio sector.
Comentários