A sustentabilidade das energias renováveis

A realidade de hoje já nos mostra que temos de enfrentar uma grande transformação no nosso status-quo, isto é, na forma como vivemos.

A realidade de hoje já nos mostra que temos de enfrentar uma grande transformação no nosso status-quo, isto é, na forma como vivemos. Todos, sem exceção, temos que mudar para um formato mais sustentável: Os Governos, Entidades Públicas, Entidades Privadas, Empresas de todas as dimensões e Nós, enquanto seres humanos, já que o nosso consumo dita os mercados.

Sendo a sustentabilidade um mundo pluridisciplinar, global, multifacetado e abrangente – que tardaria vários artigos em dissecar – a forma mais simplista de dividir este tema é em três vertentes: A Financeira, a Social e a Ambiental.

A vertente financeira faz o mundo mexer e engloba incentivos a boas práticas ambientais e sociais, financiamento para negócios não danosos ao ambiente, e espero que no futuro passe também por uma mudança na própria premissa base do sistema financeiro global: o crescimento perpétuo (desfavorável à sustentabilidade).

A vertente social inclui temas muito vastos, como a educação, proteção de património cultural tangível e intangível, equidade social e profissional, governança e direitos civis.

A vertente ambiental abrange desde o ciclo da água, à eficácia na utilização e descontaminação de solos, às emissões atmosféricas e a camada do ozono, utilização do espaço, estudo de eventos climáticos extremos e adaptação às alterações climáticas.

Assim sendo, e para que consiga efetivar um tema debaixo deste enorme guarda-chuva, passo a minha visão pessoal do que penso ser um possível percurso na evolução das energias renováveis, feito de forma mais sustentável. Este raciocínio assenta na premissa de que todas as tecnologias que conhecemos hoje em dia para a geração de energia assentam na conversão dessa energia em eletricidade e, portanto, é a este produto final que me refiro ao longo do texto.

Primeiro, as energias renováveis sustentáveis têm que continuar a receber incentivos governamentais e financeiros para poderem continuar a desenvolver-se rapidamente e ultrapassar o uso de combustíveis não renováveis, uma vez que de momento ainda não competitivas no mercado. Com uma combinação de estudos de eficácia e eficiência no desenvolvimento de projetos para a geração de energia renovável, processos de legalização facilitados, aplicação de inovação e tecnologia de ponta no equipamento e ligação à rede (sustentabilidade na utilização de recursos, sinergias de escala, ou de aplicação com múltiplas soluções energéticas mais verdes) poderá garantir-se uma melhor contribuição verde para a rede e, por conseguinte, uma redução de preço para o utilizador final.

Segundo, a transição energética tem que acontecer a par da utilização de energia de fontes renováveis. A tao falada descarbonização de redes logísticas, operações, transporte e vivência é fundamental. A descarbonização de processos, a eletrificação de meios de transporte, a compensação de CO2, e a geração de novos combustíveis renováveis serão adaptações fundamentais para um abrandar das contagens de emissões de CO2 no mundo.

Terceiro, a transição energética não é possível sem um acompanhamento da infraestrutura de apoio a meios de transporte eletrificados e o avanço tecnológico do armazenamento e transporte da própria energia. Estas frentes também têm que avançar no sentido de baixar custos, proporcionar meios e poupar recursos (porque adaptar a nossa forma de viver também requer recursos). Sem este item, a descarbonização deixa de ser sustentável antes de conseguirmos o objetivo de emissões (de fontes industriais ou humanas) ZERO.

Quarto, a energia terá que ser descentralizada para poder chegar a todos de forma equalitária. A descentralização energética, imagino, passará por criar mais fontes de geração individual, microredes de gestão energética localizada, sistemas de armazenamento menos exigentes para a natureza a nível mineral e parcerias entre governos locais. Este ponto, ainda que final, parece-me ser determinante para diminuir a separação inequalitária entre Governos, Países e Seres, mais ou menos ricos.

Tendo em conta que de acordo com as previsões da WEO[1], o consumo de petróleo estabilizará a metade dos 2030s, com 104 milhões de barris por dia, decrescendo a partir daí até aos anos 2050s com a transição para as energias renováveis, parece-me fulcral pensar de forma estruturada e sustentável no futuro das energias provenientes de fontes renováveis, assim como na implementação de forma eficaz, equalitária e limpa.

 

[1] IEA (2021), “Exploring multiple futures: demand and electricity”, in World Energy Outlook 2021, OECD Publishing, Paris, https://doi.org/10.1787/4d1b875d-en.

Recomendadas

Combater a inflacção: um tempo de algum sacrifício e perseverança

É inegável que nos deparamos globalmente com um atípico surto inflaccionista, em muito determinado  por circunstâncias disruptivas que a guerra na Ucrânia fez explodir, nomeadamente na questão central do fornecimento e do preço dos bens energéticos e também dos bens alimentares de base.

Agressão ginecológica: um episódio, apenas

Não será tempo de expormos mais abertamente a violência ginecológica a que nós mulheres somos expostas? Sim. E nada desculpa este cenário, nem a luta entre médicos ginecologistas e Governo. A cada agressão deve corresponder uma queixa formal. Só assim podemos dizer com propriedade: “Sou dona do meu corpo. Exijo respeito, seja em que circunstâncias for”.

Winter is coming

Já repeti este título em crónicas anteriores, mas este inverno provavelmente vai ser o mais difícil que atravessei.
Comentários