A transformação dos pagamentos digitais

As capacidades oferecidas pelos dispositivos móveis e a ampla disseminação do comércio eletrónico convergem para um contexto especialmente favorável à oferta de novos serviços


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A evolução acelerada que a transformação digital tem provocado nos serviços financeiros tem sido especialmente evidente nos cartões de pagamento, por representarem o principal ponto de contacto das instituições financeiras no dia-a-dia dos seus clientes.

As capacidades oferecidas pelos dispositivos móveis e a ampla disseminação do comércio eletrónico convergem para um contexto especialmente favorável à oferta de novos serviços, que elevarão o padrão de inovação e comodidade, sem colocar em causa a segurança na sua utilização. Atento a este contexto, o Parlamento Europeu adotou no início de Outubro novas regras para reforço da segurança e promoção da inovação nos pagamentos digitais. É um sinal de sintonia e de incentivo claros por parte da regulação para a evolução dos serviços de pagamento.

Neste sentido, os novos serviços de pagamento em canais digitais deverão acomodar três vetores:

Inovação: a oferta digital dos meios de pagamento constitui uma importante resposta à evolução da expetativa dos utilizadores, nomeadamente, os mais jovens. As características inovadoras de cada oferta constituem a base da sua aceitação. A possibilidade de adesão e utilização fáceis são essenciais para a massificação de um novo serviço e, consequentemente, condição base de sucesso. Um estudo recente da Accenture evidencia a forte correlação entre a aceitação de soluções de pagamentos digitais e as suas componentes inovadoras, nomeadamente, a motivação para a sua utilização, por ser agradável e divertida, ou a sua performance, incrementando a produtividade na realização de transações comuns no dia-a-dia, como sejam as transferências, os pagamentos e as compras.

Comodidade: a oferta de pagamentos digitais, em substituição do cartão, constitui uma opção de grande comodidade, pelo natural aumento da conveniência e disponibilidade. Os fatores de sucesso centram-se na facilidade de adesão e utilização e no entendimento fácil e intuitivo das funções de pagamento e suas implicações, nomeadamente, no preçário associado. Adicionalmente, esta nova forma de pagamento não só substituirá em muitos casos o cartão físico, mas também o dinheiro, que sobretudo em transações de menor valor, continua a ser fortemente privilegiado. Estas características de comodidade têm de ser devidamente testadas e otimizadas, levando a uma maior necessidade das empresas envolverem os seus clientes na criação de novas ofertas. Uma avaliação da Accenture a nível global conclui que apenas 52% das organizações incluem o feedback dos utilizadores nos processos de construção.

Segurança: a confiança dos utilizadores em qualquer sistema que envolve dados e movimentos financeiros é fator crítico para a sua disseminação e sucesso. Em mercados como o português, onde a segurança e a confiança são já adquiridas, não há espaço para falhas. As soluções digitais têm que garantir fiabilidade, robustez e segurança, sendo este o principal desafio à oferta de serviços digitais identificado pelas organizações. Este desafio implica equilibrar requisitos efetivos de segurança, que fortaleçam a confiança dos utilizadores, com a comodidade e facilidade de utilização.

Os desafios associados a esta nova onda de evolução são significativos, mas são inúmeras as oportunidades, pelo que é certa a intensificação de novas ofertas e novas entidades a prestarem serviços de pagamentos inovadores, cómodos e seguros. E serão as iniciativas que melhor conseguirem otimizar estes três eixos que alcançarão maior sucesso.

Tiago Minchin
Managing Director da Accenture Portugal na área de Serviços Financeiros

Recomendadas

Desistência ou insistência nacionais?

A distribuição de poder dentro do espaço que delimita um país tem sido central no estudo da organização humana e política do Homem.

Foco na capitalização das empresas ultrapassa o domínio fiscal

Apesar das medidas de incentivo à capitalização das empresas irem no caminho certo, os desafios só poderão ser superados através do uso de instrumentos mais “interventivos”, os quais por sua vez exigem mudanças da mentalidade empresarial em geral.

CSRD: mais siglas, mais regulação, mais sustentabilidade. Vamos passar à ação!

Uma das novidades é a consagração da verificação da informação por terceiros. Com o objetivo de evitar o ‘greenwashing’ e garantir que as organizações divulgam informações verdadeiras.