Premium“Abrandar a economia e evitar uma recessão? É como acertar no Euromilhões”

Os bancos centrais vão continuar a subir os juros para travar a inflação e uma recessão na zona euro parece inevitável, diz Rui Castro Pacheco, do Banco Best. Obrigações voltaram a ser um ativo interessante para os investidores, a par do sector das energias renováveis e da saúde.

A zona euro e o mundo vivem um cocktail explosivo económico/financeiro neste momento com a subida das taxas de juro, inflação galopante e ameaça de recessão. Num mundo com muita volatilidade, e com os juros das dívidas soberanas a voltarem a subir, os investidores têm estado com apetite por este tipo de ativo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.

OE2022: Segurança Social regista excedente de 3.358 milhões de euros até outubro

A receita da Segurança Social aumentou em 9,1% e atingiu os 28.387,7 milhões de euros até outubro, enquanto a despesa caiu 0,5% para 25.030,1 milhões de euros, de acordo com a síntese divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.
Comentários