Academia “Próxima Geração” abre candidaturas para formar cidadãos políticos em nova edição

O programa dura 12 semanas e tem por objetivo levar os jovens a desenvolverem “competências de liderança, comunicação política, ética, e conhecimentos da estrutura do poder local, governo central e instituições europeias e mundiais”, de acordo com a associação. Primeira edição contou com 23 jovens de diversas áreas de estudo.

Próxima Geração: fundadores e participantes

A associação Próxima Geração abriu candidaturas para a Academia Próxima Geração, que visa desafiar jovens (entre os 16 e os 30 anos) a aprender como atender às necessidades dos cidadãos e encontrar soluções para dar resposta aos desafios que se colocam na sociedade. A segunda edição da iniciativa vai decorrer entre 27 de janeiro de 30 de abril de 2023, de acordo com as informações divulgados em comunicado pala associação.

Este é um programa que dura 12 semanas e tem por objetivo levar os jovens a desenvolverem “competências de liderança, comunicação política, ética, e conhecimentos da estrutura do poder local, governo central e instituições europeias e mundiais.” A vertente prática, por seu turno, vai contemplar “atividades como a criação de políticas públicas, a escrita de um manifesto, a organização de uma campanha de angariação de fundos por uma causa”, entre outros aspetos.

Será trabalhada também uma vertente de reflexão, focada em “temáticas atuais”, nacionais e internacionais, tendo em vista os objetivos de desenvolvimento sustentável definidos pela ONU para implementação da Agenda 2030.

O diretor executivo da Próxima Geração – Apolitical Academy, Ricardo Marvão refere, citado no mesmo documento, que “depois de uma primeira edição muito bem-sucedida, seguimos agora para a segunda edição da Academia Próxima Geração, com o objetivo de preparar os participantes para o dia a dia de um cidadão ativo, consciente e com um pensamento crítico.”

De referir que a primeira edição da iniciativa decorreu entre 30 de abril e 24 de julho de 2022 e contou com 23 jovens de diversas áreas de estudo, sendo que em todos eles a associação destaca a “vontade de querer fazer mais e melhor pela sociedade.”

Recomendadas

José Luís Carneiro: Tráfico de imigrantes é “problema estrutural” e polícia intervém porque sociedade “falha”

“Não é um problema novo, é um problema estrutural”, em termos internacionais, afirmou hoje aos jornalistas o governante, no Comando Territorial de Évora da GNR, onde presidiu à inauguração do Espaço “Maria e António”, a renovada sala dedicada ao atendimento à vítima.

Violência doméstica. APAV junta-se à hamburgueria A-100 em ação de sensibilização

A hamburgueria compromete-se a doar à APAV um euro por cada sobremesa vendida esta sexta-feira e vai iniciar uma angariação de fundos na sua página de Instagram até ao final do ano, com o dinheiro a reverter a favor da associação.

Crime de violência doméstica representa metade das medidas de vigilância eletrónica

Entre 2.224 solicitações de vigilância através de pulseira eletrónica recebidas pela DGRSP de janeiro a outubro deste ano, 1.126 ocorreram no âmbito do crime de violência doméstica, correspondendo a 50,63% do total.
Comentários