ACAI: agravamento da taxa de IMT mostra “desprezo do Governo pelo setor imobiliário”

Eric van Leuven responsável da Associação de Empresas de Consultoria e Avaliação Imobiliária salienta que caso esta medida se venha a confirmar “irá resultar num aumento do preço das casas e numa maior propensão para a evasão fiscal”.

Aluguer de casas de luxo

O presidente da Associação de Empresas de Consultoria e Avaliação Imobiliária (ACAI), Eric van Leuven, classifica o agravamento da taxa do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) como “mais um atentado ao imobiliário através da via tributária”.

A ACAI emitiu um comunicado esta quarta-feira, 18 de dezembro, no qual protesta “veementemente” contra a proposta do Governo para Orçamento de Estado de 2020, que contempla um aumento para os 7,5% da taxa do IMT relativo a transações de imóveis de valor superior a um milhão de euros.

“Esta medida, a confirmar-se, irá resultar num aumento do preço das casas e numa maior propensão para a evasão fiscal. Ela não só demonstra o desprezo deste Governo pelo setor imobiliário, um dos que mais tem contribuído para a dinamização do emprego e da economia portuguesa, como é exemplar da instabilidade fiscal, que é infelizmente tão característica do País e tão temida pelos investidores”, afirma Eric van Leuven.

A atual taxa máxima do IMT é de 6% para as habitações que custem mais de 574 mil euros (no caso de residência própria e permanente) ou a 550 mil euros (em relação a prédios habitacionais que não se destinem a habitação própria e permanente).

A finalizar o comunicado a ACAI relembra que a fiscalidade sobre o imobiliário já representa mais de 30% do preço final das casas, o qual, a confirmar-se esta medida, será agravado substancialmente com este aumento do IMT em 1,5% sobre o valor da venda.

Recomendadas

Investimento no sector de retalho cresceu 170% em Portugal até setembro

A análise europeia da consultora Savills revela que o investimento em centros comerciais representou 27% de toda a atividade de investimento no segmento de retalho, em comparação com os 14% verificados no período homólogo do ano passado.

Preço das casas para arrendar em Portugal subiu 2,9% em novembro (com áudio)

No final do mês de novembro, arrendar casa tinha um custo de 12,5 euros por metro quadrado.

Just a Change está a angariar fundos para reabilitar casas em Portugal

O objetivo passa não apenas por melhorar as condições habitacionais, mas também gerar impacto em áreas como a saúde, segurança, conforto e bem-estar.
Comentários