Acções da EDP que estavam indisponíveis vão ser admitidas à cotação

Período de indisponibilidade a que estavam sujeitas as acções terminou a 11 de Maio deste ano, quatro anos depois da data da conclusão da venda, tendo-se procedido entretanto à alteração da categoria dos títulos.

Em causa estão 568.797.735 acções, no valor unitário de um euro, representativas de cerca de 15,56% da EDP.

A empresa liderada por António Mexia publicou nesta sexta-feira o prospecto da admissão das acções à cotação. Nele enumera uma lista extensa de riscos. Entre eles estão riscos relacionados com a actividade da EDP, como por exemplo a exposição à incerteza do ambiente macroeconómico
global e, em particular, aos desenvolvimentos nas economias dos principais países onde opera, nomeadamente de Portugal, Espanha, Brasil e Estados Unidos da América. “Poderão ser implementadas medidas adicionais pelo Estado Português na sequência do PAEF (plano de assistência financeira) de forma a limitar o aumento dos preços da energia”; as condições dos mercados financeiros poderão afectar adversamente a capacidade da EDP para obter financiamento, incrementando a sua exposição ao risco de liquidez e aumentando o custo da sua dívida.

Os resultados operacionais da EDP são fortemente afectados pelas normas legais e regulamentares implementadas por várias entidades públicas nas várias jurisdições em que esta opera; Nas actividades de redes reguladas de distribuição de energia, as revisões. A EDP avisa ainda que as actividades regulatórias periódicas podem implicar perdas significativas de proveitos regulados.

“As actividades da EDP estão sujeitas a numerosos regulamentos ambientais
que poderão ter um efeito adverso e substancial na sua actividade, situação
financeira, perspectivas ou resultados operacionais; Embora os investimentos da EDP, passados e planeados, em novas instalações de produção de electricidade assumam que as licenças de emissão de CO2 se tornarão gradualmente mais restritas ao longo do tempo, a EDP continua a operar de acordo com as suas práticas actuais de gestão de risco de CO2 e de acordo com a legislação e regulamentação em vigor relativas a estas emissões; A legislação ambiental, além da relativa ao CO2, pode requerer investimentos adicionais por parte da EDP, com impacto na actividade”, são alguns do riscos apontados.

Estes títulos que são admitidos à cotação estão incluídos nos 21,35% de capital da EDP  (780.633.782 acções) comprados pelo grupo chinês em 2013, mas não estavam admitidos à negociação “por pertencerem a uma categoria especial que englobava as acções detidas por entes públicos”.

O período de indisponibilidade a que estavam sujeitas terminou a 11 de Maio deste ano, quatro anos depois da data da conclusão da venda, tendo-se procedido entretanto à alteração da categoria dos títulos.
“Na sequência da referida alienação e concomitante alteração de categoria, e nos termos do disposto nos artigos 227.º e seguintes do Código dos Valores Mobiliários, dos quais resulta que as acções da mesma categoria devem estar todas admitidas a negociação, são agora admitidas à negociação as referidas 568.797.735 acções representativas de cerca de 15,56% do capital social da EDP e dos direitos de voto da EDP,” refere o documento.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários