Acionistas da Mota-Engil votam a 6 de maio autorização para emitir 400 milhões em dívida

Na reunião magna serão ainda discutidos os documentos referentes aos resultados de 2021 e a proposta de dividendos, que a empresa já tinha divulgado, no dia 7 de abril.

Os acionistas da Mota-Engil irão votar, em assembleia-geral, no próximo dia 6 de maio, uma autorização para a empresa emitir até 400 milhões de euros em empréstimos obrigacionistas, segundo a convocatória, divulgada esta terça-feira.

No documento, publicado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa indicou que um dos pontos a votar é a “autorização a conceder pela assembleia-geral da Sociedade para a emissão de um ou mais empréstimos obrigacionistas, em euros ou noutra divisa, até ao montante global de 400.000.000 de euros”.

Na reunião magna serão ainda discutidos os documentos referentes aos resultados de 2021 e a proposta de dividendos, que a empresa já tinha divulgado, no dia 7 de abril.

Assim, o Conselho de Administração propõe a distribuição, para reserva legal, “de 5% do resultado líquido do exercício, no valor de 2.117.049 euros e um cêntimo”, “para distribuição imediata aos acionistas, 5,175 cêntimos de euro por ação, cativos de impostos, no valor global de 15.875.655 euros e 41 cêntimos” para “reservas livres, o remanescente, no valor de 24.348.275 euros e 74 cêntimos”.

Em caso de aprovação da proposta de aplicação de resultados, o Conselho de Administração propõe em segundo lugar, à assembleia-geral anual, que seja deliberada “uma distribuição adicional dos lucros do exercício aos acionistas de 1,725 cêntimos de euro por ação, cativos de impostos, no valor global de 5.291.885 euros e 14 cêntimos”.

“Esta distribuição adicional fica sujeita à condição de o resultado líquido consolidado atribuível ao grupo, a verificar no final do primeiro semestre de 2022, ser superior a 50% do resultado líquido consolidado atribuível ao grupo verificado no ano de 2021, isto é ser superior a 10.820,5 milhares de euros”, indicou.

A assembleia-geral da Mota-Engil irá ainda “discutir e deliberar sobre a eleição, para o mandato em curso, correspondente ao triénio dois mil e vinte e um /dois mil e vinte e três (2021/2023), de um novo membro para o Conselho de Administração da Sociedade”, revelou, entre outros assuntos.

Relacionadas

Mota-Engil vai propôr aos acionistas um dividendo de 5,175 cêntimos por ação

O grupo liderado por Gonçalo Moura Martins vai propor a distribuição já de 15,9 milhões de euros em dividendos. Mas admite um dividendo adicional em outubro que fica condicionado aos resultados do primeiro semestre.

Mota-Engil assina novo contrato superior a 190 milhões de euros na Costa do Marfim

As obras na qual estará envolvida a empresa de construção liderada por Gonçalo Moura Martins deverão começar em dezembro deste ano e prolongar-se-ão por 66 meses.
Recomendadas

Associação Empresarial de Portugal no Egipto com sector da construção

O presidente da AEP, Luís Miguel Ribeiro, refere que “nos últimos seis anos, o governo egípcio tem mantido o investimento em novos projetos (New Mansoura City, New Administrative Capital, o comboio de alta velocidade) e que é o primeiro país da MENA (Middle East and North Africa) a emitir ‘green bonds’.

Construtora Garcia Garcia atinge faturação de 75,5 milhões em 2021

Mais de metade dos projetos da construtora foram no sector industrial e logístico. Residencial e hotelaria representou 30%. Captação e desenvolvimento de projetos para empresas internacionais contribuíram para um ano positivo.

Manuel Reis Campos mantém-se na liderança da CPCI até 2024

No seguimento das eleições dos órgãos sociais da CPCI para o triénio de 2022 a 2024, realizadas ontem, dia 28 de abril, Manuel Reis Campos, em representação da AICCOPN, mantém-se na liderança da entidade que integra as associações empresariais que representam toda a fileira da construção e do imobiliário.
Comentários