Acionistas da Novabase aprovam redução de capital para 33 milhões para cobrir prejuízos

Os acionistas da Novabase aprovaram a redução do capital da tecnológica de 54,6 milhões de euros para perto de 33 milhões de euros, para cobrir prejuízos e libertar excesso de capital, de acordo com um comunicado enviado ao mercado.

Os acionistas da Novabase aprovaram a redução do capital da tecnológica de 54,6 milhões de euros para perto de 33 milhões de euros, para cobrir prejuízos e libertar excesso de capital, de acordo com um comunicado enviado ao mercado.

Na mesma nota, publicada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa deu conta da de que a sua assembleia geral (AG) deliberou esta terça a “aprovação da redução o capital social da Sociedade, de 54.638.425,56 euros [54,6 milhões de euros]” para “32.971.463,70 euros [32,97 milhões de euros] sendo o montante global da redução de 21.666.961,86 euros [21,7 milhões]”.

A operação divide-se assim entre o montante de 4.818.217,86 euros [4,8 milhões] “destinado a cobertura de prejuízos” e 16.848.744,00 euros [16,8 milhões de euros] para “libertação de excesso de capital”, indicou.

A AG do grupo deu também luz verde à eleição de Benito Vázquez Blanco “para o cargo de membro do Conselho de Administração da Sociedade para o remanescente do triénio 2021-2023”, substituindo “assim o administrador José Sancho García, na sequência da renúncia apresentada por este administrador” e à “eleição de Francisco Paulo Figueiredo Morais Antunes como novo membro do Conselho de Administração da Sociedade para o remanescente do triénio 2021-2023 em curso”.

A AG aprovou ainda os documentos de prestação de contas referentes a 2021 e “a aplicação de resultados nos termos propostos pelo Conselho de Administração, com a transferência do resultado líquido individual do exercício findo em 31 de dezembro de 2021, no valor positivo de 1.025.507,61 euros” [1,025 milhões] para “resultados transitados, destinando-se a cobrir parte dos prejuízos transitados existentes”, referiu.

Recomendadas

Afinal, que soluções existem para as empresas?

O Banco Português de Fomento lançou no início do ano os dois primeiros programas para apoiar a solvabilidade do tecido empresarial português. A banca está focada em aconselhar e montar as operações.

Presidente da Ryanair antecipa subida de preços nas ‘low-cost’

Michael O’Leary diz que o preço médio por bilhete deverá subir entre 10 a 20 euros nas viagens low-cost, que estão a tornar-se, segundo o mesmo, “demasiado baratas”.

Candidaturas selecionadas para o Consolidar conhecidas em julho

Os programas Recapitalização Estratégica e Consolidar têm gerado grande interesse, diz a presidente da comissão executiva do Banco Português de Fomento, Beatriz Freitas, ao Jornal Económico.
Comentários