Acionistas da Prisa votam venda da TVI à Cofina a 29 de janeiro

Os acionistas da empresa espanhola dona da TVI vão votar a venda da companhia à dona do Correio da Manhã. A Prisa e a Cofina esperam ter o negócio concluído até ao final do primeiro trimestre de 2020, quando estiverem concluídos os devidos trâmites.

A Prisa convocou uma assembleia geral de acionistas para 29 de janeiro. Neste encontro vai ser votada a venda da Media Capital à Cofina.

Segundo um comunicado divulgado hoje, a empresa espanhola anunciou que na reunião vai ser submetida a votação a “aprovação da alienação da Vertix SGPS”, a empresa que detém 94,7% da dona da TVI.

A assembleia geral extraordinária de acionistas vai ter lugar a 29 de janeiro na sede do jornal El País, detido pela Prisa, pelas 10h00, 9h00 em Lisboa.

A Prisa anunciou esta semana que a compra da TVI pela Cofina deverã estar concluída até ao final do primeiro trimestre de 2020. A empresa espanhola disse no dia 24 de dezembro que a operação está dependente do cumprimento de várias obrigações, que só deverão estar cumpridas até ao final de março do próximo ano.

“As partes [Cofina e Prisa] estimam que o cumprimento destas condições vai ter lugar no primeiro trimestre de 2020”, pode-se ler no comunicado da Prisa.

A empresa que também detém o jornal espanhol El País afirmou que a “execução da operação continua a avançar favoravelmente ficando condicionada à obtenção” da autorização das autoridades competentes e de regulação portuguesas, “as quais já manifestaram a sua decisão preliminar de não oposição à operação estando pendente a sua decisão definitiva”, referindo-se ao aval da Autoridade da Concorrência.

A Prisa também destaca que a concretização da operação depende da obtenção de aprovação por parte de determinados credores financeiros da empresa, assim como a aprovação por parte da assembleia-geral de acionistas que será convocada “proximamente”.

No dia 23 de dezembro, a Cofina anunciou que as duas empresas “acordaram na redução do preço de aquisição previsto no Contrato de Compra e Venda, que é agora de 123,2 milhões de euros, assumindo um entreprise value de 205 milhões. Deste modo, o preço máximo por ação da Media Capital previsto resultante do Contrato de Compra e Venda corresponde, agora, a 1,5406 euros (por contraposição ao montante de 2,1322 euros, divulgado no anúncio preliminar da Oferta”, segundo comunicado da empresa.

Por sua vez, a dona da Media Capital, veio a público dizer que esta “modificação reflete o acordo entre as partes para dar total certeza de execução da operação”.

“Os fundos gerados pela operação destinam-se a amortizar a dívida do grupo, acelerando o plano de desalavancamento da sociedade”, pode-se ler no comunicado da empresa espanhola.

 

Prisa: Compra da TVI pela Cofina deve estar concluída no primeiro trimestre de 2020

 

Recomendadas

EDP procura startups mais inovadoras na área da energia

Elétrica lança a 7ª edição do Free Electrons em busca de startups inovadoras. Candidaturas decorrem até 28 de janeiro.

Mitos que bloqueiam progressão feminina e dificultam diversidade de género nas empresas

Relatório da Mazars e Gender Balance Observatory desmistifica mitos em contexto laboral, entre os quais a falta de ambição e a aversão ao risco entre as mulheres, a questão da maternidade ou das quotas e a meritocracia.

Mercado automóvel cresce 1,8% entre janeiro e novembro, mas muito longe dos números pré-pandemia

Dados da ACAP revelam que em termos globais, o mercado automóvel regista um crescimento de 1,8% entre janeiro a novembro de 2022, face a igual período do ano anterior. De referir que 11,1% dos veículos ligeiros de passageiros novos são elétricos (BEV).
Comentários