Ações da Airbnb sobem mais de 100% na chegada ao Nasdaq

A empresa liderada por Brian Chesky estabeleceu um preço de 68 dólares por ação na entrada em bolsa desta quinta-feira. Os títulos estão agora a valer 144,90 dólares.

A Airbnb estreou-se esta quinta-feira na bolsa de Nova Iorque com fortes ganhos. As ações da empresa de alojamento local estão a disparar 113,09% no índice norte-americano Nasdaq para 144,90 dólares.

Os títulos da gigante do turismo estão em terreno positivo no primeiro dia de negociações no índice tecnológico de Wall Street, tendo aberto as negociações a a valer 146 dólares cada, o que corresponde a um valor 115% acima do preço da sua oferta pública inicial (IPO), de 68 dólares.

O valor faz com que a capitalização de mercado da Airbnb – que está a negociar com o símbolo “ABNB” – se fixe agora nos 101,6 mil milhões de dólares (aproximadamente 83,7 mil milhões de euros).

Para os analistas do Bankinter, esta chegada ao mercado de capitais são “boas notícias”, que demonstram uma “grande atração” por empresas tecnológicas do turismo por parte dos investidores. “O setor do turismo foi bastante penalizado e espera-se que recupere com força”, explicam, numa nota de mercado enviada esta manhã.

Na segunda feira, a empresa liderada por Brian Chesky informou que tinha aumentado o intervalo do preço indicativo da IPO para entre 56 e 60 dólares, acima da anterior indicação de entre 44 e 50 dólares.

Recomendadas

PremiumReserva Federal penaliza mercados

A postura mais ‘hawkish’ do que o esperado do banco central norte-americano empurra os mercados para perto de mínimos do ano.

Wall Street encerra semana com principais índices a perder mais de 1,50%

O Dow Jones encerrou o dia a ceder 1,62% para 29.590,41 pontos, o S&P500 a perder 1,67% para 3.695,10 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 1,80% para 10.867,93 pontos.

Euro e libra recuam para mínimos de décadas face ao dólar

O euro e a libra terminaram hoje a semana a recuar para mínimos de décadas face ao dólar, com as moedas europeias pressionadas por receios de recessão e o dólar a beneficiar do estatuto de ativo seguro.
Comentários