“Ações do banco começaram a cair quando foi anunciada a minha saída”, reforça Salgado

O antigo presidente executivo do Banco Espírito Santo (BES) Ricardo Salgado lembrou que as ações do banco começaram a cair no momento em que a sua saída foi conhecida, e não aquando do anúncio dos prejuízos do primeiro semestre. Dirigindo-se ao deputado do PS Pedro Nuno Santos, e respondendo a uma pergunta sobre o aumento […]

O antigo presidente executivo do Banco Espírito Santo (BES) Ricardo Salgado lembrou que as ações do banco começaram a cair no momento em que a sua saída foi conhecida, e não aquando do anúncio dos prejuízos do primeiro semestre.

Dirigindo-se ao deputado do PS Pedro Nuno Santos, e respondendo a uma pergunta sobre o aumento de capital de junho, Salgado replicou: “Considera ou não que havia uma enorme confiança no BES para [o aumento de capital] conseguir ter o sucesso que teve? Foi isso que se perdeu”, advogou.

“Não estou a dizer que se tenha perdido [a confiança] pelo facto de eu ter saído, embora as ações tivessem começado a cair exatamente na altura em que foi anunciada a minha saída”, sublinhou ainda.

Noutras audições parlamentares, figuras como Vítor Bento, que sucedeu a Salgado na liderança do BES, sublinharam que a queda das ações a 31 de julho, dia seguinte à apresentação dos resultados semestrais, foi “perfeitamente normal”, e só depois, a 1 de agosto, se dá um recuou maior do valor dos títulos.

OJE/Lusa

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.