Ações dos Estados Unidos nos três fundos mais rentáveis em 2019

Os fundos de investimento em ações que apostaram no bull market das bolsas americanas para gerar retornos próximos dos 30%.

O bear market que caracterizou a reta final de 2018 não fazia antecipar os retornos que os investidores iriam conseguir em 2019. E, numa altura em que há poucas alternativas de investimento devido ao contexto atual de taxas de juro negativas na zona euro, o investimento em ações tem sido o ‘porta-estandarte’ dos retornos financeiros deste ano, especialmente os mercados bolsistas norte-americanos.

Os números não enganam. Nos Estados Unidos, os três principais índices da bolsa de Nova Iorque registaram ganhos superiores a 20% entre o início do ano e 30 de novembro de 2019. O tecnológico Nasdaq, com uma valorização de 30,6%, é o ‘rei’ dos retornos, à frente do S&P 500 e do Dow Jones.

Mais do que investir diretamente em ações, o aforrador com alguma apetência para o risco – e para os retornos – pode sempre investir em fundos de ações.

Segundo os dados da Morningstar, consultora independente, os dois fundos de investimento mais rentáveis em Portugal nos onze primeiros meses do ano têm uma exposição forte ao bull market das bolsas norte-americanas.

Entre os dez fundos de investimento mais rentáveis em Portugal, o BPI Ações Mundiais FIAA, gerido pela BPI Gestão de Ativos, registou um retorno de 32,86% desde o início do ano. De acordo com a “Fundspeople”, uma revista especializada no setor, que cita os dados da Morningstar, o BPI Ações Mundiais FIAA apresenta uma alocação ao setor tecnológico superior a 23% e é altamente expostos a ações norte-americanas, que representam 70% do portefólio de ações.

Em segundo lugar deste ‘top 10’ dos fundos de investimento mais rentáveis em Portugal, surge novamente um fundo fortemente exposto às ações norte-americanas. O BPI América D FIAA é inteiramente composto por ações norte-americanas, com um portefólio sectorial diversficado e apresenta um retorno de 31,07% até novembro. Segundo a Morningstar, 19,76% está alocado ao setor tecnológico, surgindo o setor da saúde, com 16,93% e os serviços financeiros, com 15,64%. O consumo e a indústria são os outros setores em que este fundo investe.

No último lugar do pódio dos mais rentáveis, com um retorno de 28,52% nos primeiros onze meses do ano, surge o IMGA Ações América FIAA, gerido pela IM Gestão Ativos.

A alocação deste fundo é 100% ao mercado norte-americano, sendo que mais de 96% é alocado a ações dos EUA. Com 19,28% da alocação, o setor tecnológico volta a ser o que tem mais peso no IMGA Ações América FIAA, com 19,28%, seguindo-se os serviços financeiros, com 15,48%.

Recomendadas

IGCP recompra 1,4 mil milhões de euros em obrigações com maturidade em 2023 e 2024

O IGCP, segundo dados da Bloomberg, citados pela Lusa, recomprou 250 milhões de euros nas obrigações com maturidade em outubro de 2023 e 1,15 mil milhões de euros nos títulos com maturidade em fevereiro de 2024.

Taxas médias das Euribor sobem em novembro, mas menos do que em outubro

Além de uma desaceleração face a outubro, as taxas médias da Euribor subiram mais acentuadamente nos prazos mais curtos do que nos mais longos, já que cresceram 0,397 pontos a três meses, 0,324 pontos a seis meses e 0,199 pontos a 12 meses.

PSI no ‘verde’ no início da sessão em linha com praças europeias

No mercado petrolífero, o brent sobe 0,80% para 84,92 dólares e o crude avança 0,72% para 78,76 dólares.
Comentários