Acordo da Aon e Willis Towers para criar a maior corretora de seguros enfrenta investigação europeia

As duas empresas de seguros – que depois da Marsh e McLennan são as maiores corretoras globais – estão a tentar fechar esta transação para aumentar o poder de mercado e criar “soluções inovadoras”. O negócio é de 30 mil milhões de dólares.

O negócio de 30 mil milhões de dólares (cerca de 25 mil milhões de euros) entre as companhias de seguros Aon e Willis Towers Watson para criar a maior corretora de seguros do mundo enfrenta uma investigação em grande escala devido à complexidade da operação, avança esta terça-feira a Reuters.

De acordo com a agência noticiosa, que cita duas fontes familiarizadas com o assunto, as empresas – que depois da Marsh e McLennan são as maiores corretoras globais – estão a tentar fechar esta transação para aumentar o poder de mercado, mas os analistas dizem que, provavelmente, irá desencadear uma profunda análise regulatória.

Em causa está o facto de ontem ter terminado o prazo para a Aon fornecer informação adicional à União Europeia nesta fase preliminar e, segundo o website da Concorrência europeia, esses dados não foram facultados.

O anúncio desta operação – que é a segunda tentativa da Aon de adquirir a Willis Towers – foi feito a 9 de março de 2020, quando a Aon e a Willis Towers Watson anunciaram um acordo definitivo para uma fusão, gerando um valor patrimonial agregado implícito de aproximadamente 80 mil milhões de dólares (aproximadamente 66 mil milhões de euros).

“A combinação da Willis Towers Watson e Aon é um próximo passo natural na nossa jornada para melhor servir os nossos clientes nas áreas de recursos humanos, risco e capital. Esta transação acelera essa jornada, fornecendo às nossas equipas conjuntas a oportunidade de impulsionar a inovação mais rapidamente e entregar mais valor”, referiu na altura o CEO da Willis Towers Watson, John Haley.

“Esta combinação criará uma plataforma mais inovadora, capaz de dar os melhores resultados para todos os stakeholders, incluindo clientes, colegas, parceiros e investidores. A nossa experiência de classe mundial em risco, reformas e saúde irá acelerar a criação de soluções que combinam de forma mais eficiente o capital com as necessidades não atendidas do cliente em áreas de alto crescimento, como cibernética, investimentos delegados, propriedade intelectual, risco climático e soluções de saúde”, completou o CEO da Aon Greg Case.

Recomendadas

Euribor volta a subir para novo máximo a seis meses e cai a três e a 12 meses

As taxas Euribor desceram hoje, pela primeira vez desde 09 de setembro, a três e a 12 meses, e voltaram a subir a seis meses, para um novo máximo desde janeiro de 2009.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.

Tribunal de Contas não afasta cenário de novas injeções de capital no Novobanco

O juiz conselheiro relator do relatório da auditoria do Tribunal de Contas à gestão do Novobanco, José Quelhas, referiu hoje que não está afastado o cenário de novas injeções de dinheiro público no ex-BES.
Comentários